terça-feira, 30 de novembro de 2010

Teatro - "Ascensão e queda da cidade de Mahagonny"

Com Direção de Carmen Fossari, o Teatro da UFSC recebe o espetáculo "Ascensão e queda da cidade de Mahagonny", de Bertold Brecht.
Dias 04, 05 e 06 de dezembro, às 21h, no Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha. Entrada gratuita e aberta à comunidade, o público deve chegar 30 minutos antes do início do espetáculo.
Um espetáculo que lança um olhar poético e mordaz sobre o nascimento e queda de uma cidade, movida pelo ouro.
A peça conta com alunos do Curso de Artes Cênicas do CCE, através da disciplina optativa Montagem e com alunos da Oficina Permanente de Teatro, do Departamento Artístico Cultural (DAC) / SeCArte da UFSC.

Elenco

Alexandre Borges (Joseph), Ana Paula Lemos (Jenny), Douglas Maçaneiro (Um tal Bert Brecht), Eduardo Stahelin( Coro Masculino), Giovana Ursini (Maysa Trindade), Iris Karapostolis (Cantora), Jacque Kremer (Leokadja Begbick), Kátia Maczewski (Procuradora), Laura Gill Petta (Coro Feminino), Letícia Costa (Coro Femino), Luis Tinoco (Jackob), Márcia Cattoi (Coro Femino), Mel Rezende(Coro Femino), Neivania Theodoro(Coro Femino), Neusa Borges (Coro Femino), Priscila de Souza Serafim(Chaplita), Roberto Moura (Heidrich), Robson Walkowski(Paul).

SERVIÇO:
O QUÊ: Peça "Ascensão e queda da cidade de Mahagonny".
QUANDO: Dias 04, 05 e 06 de dezembro de 2010, às 21h.
ONDE: Teatro da UFSC, ao lado da Igrejinha.  Trindade, Florianópolis.
QUANTO: Gratuito! (Chegar 30 minutos antes do início do espetáculo).
(Fonte: Patricia Siqueira - Acadêmica de Jornalismo - Assessoria de Imprensa do DAC: SECARTE: UFSC, com texto e foto da produção.)

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Lançamento livro "O SOL HÁ DE BRILHAR"

Fui ao lançamento do nono livro do acadêmico Rudney Otto Pfutzenreuter. Um belo  romance intitulado O SOL HÁ DE BRILHAR carregado da humanidade  do autor.
O evento foi no dia 23 de novembro de 2010, às 19 horas, no Shopping Iguatemi, em Florianópolis.
Fotos de familiares, amigos e acadêmicos da Academia de Letras de Palhoça.






quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Otimização da Memória no Envelhecimento

Participei com muita alegria do lançamento do livro.

Otimização da Memória no Envelhecimento  - Oficinas Pedagógicas
Autoras: Maria Celina da Silva Crema / Raquel Quadros Seiffert
A memória é uma das mais importantes funções cognitivas e afeta ao envelhecimento, porém possui plasticidade que é a capacidade de se adaptar.
Muitos dos receios que os idosos manifestam em relação a falhas de memória podem ser dirimidos com informações e atitudes de como a memória funciona e como melhorar seu desempenho.
O conhecimento sobre o seu funcionamento pode contribuir para a confiança, auto-estima e independência do idoso.
Para a teoria de otimização seletiva com compensação, na velhice é possível otimizar e preservar a memória praticando-se estratégias compensatórias externas e internas.
Um dos fundamentos do NETI de que o ser humano tem a capacidade de aprender durante toda a vida, pode ser identificado nos propósitos deste livro.
O gerenciamento do estilo de vida, da prevenção da saúde e da otimização da memória, atuam como componentes do processo educativo a ser realizado permanentemente.
“Este livro reúne, organiza, analisa e sistematiza os resultados dos estudos, das práxis e das atividades e oficinas pedagógicas sobre envelhecimento e memória realizados a partir do Grupo de Estudos de Envelhecimento e Memória − GEEM do Núcleo de Estudos da Terceira Idade da Universidade Federal de Santa Catarina (NETI / UFSC) e também, valendo-se da pedagogia da pergunta, traduz os questionamentos mais comuns sobre memória e envelhecimento, oferecendo respostas embasadas para tal.”
Foi  um privilégio conviver com as autoras no Grupo de Estudos da Memória do NETI/UFSC durante 3 anos, estudando os mecanismos da memória humana no envelhecimento.

domingo, 21 de novembro de 2010

Poemas pra começar a semana na inspiração de Mário Quintana

Conheci Mário de Miranda Quintana em Porto Alegre. Duvido que algum portoalegrense não o tenha conhecido quando ele morava no Hotel Majestic, no centro de Porto Alegre e que depois se transformou na Casa de Cultura Mário Quintana. Ele caminhava pelas ruas da cidade, era frequentador das Feiras de Livros.
Cidades culturais valorizam seus poetas, caso de Florianópolis com Zininho.
Mário Quintana foi um poeta, tradutor e jornalista brasileiro. Nasceu em Alegrete na noite de 30 de julho de 1906 e faleceu em Porto Alegre, em 5 de maio de 1994.
Para começar a semana, algumas frases do poeta, (haikaizinhos) (?)
" Diálogo Bobo
- Abandonou-te?
- Pior ainda: esqueceu-me..."

"Linha Curva
O caminho mais agradável entre dois pontos."
"Do Estilo
O estilo é uma dificuldade de expressão."

"Dores de amor
Tão bom morrer de amor e continuar vivendo."


"Problemas
O pior dos problemas da gente é que ninguém tem nada com isso."


"Sonhos
Sonhar é acordar-se para dentro."

"Amizade
A amizade é um amor que nunca morre."



Sobre a Cidade, ele fez o seguinte poema:


O MAPA
Olho o mapa da cidade
Como quem examinasse
A anatomia de um corpo...
(É nem que fosse o meu corpo!)
Sinto uma dor infinita
Das ruas de Porto Alegre
Onde jamais passarei...
Há tanta esquina esquisita,
Tanta nuança de paredes,


Há tanta moça bonita
Nas ruas que não andei
(E há uma rua encantada
Que nem em sonhos sonhei...)
 
Quando eu for, um dia desses,
Poeira ou folha levada
No vento da madrugada,
Serei um pouco do nada


Invisível, delicioso
Que faz com que o teu ar
Pareça mais um olhar,
Suave mistério amoroso,


Cidade de meu andar
(Deste já tão longo andar!)
E talvez de meu repouso...
Mario Quintana - Apontamentos de História Sobrenatural


segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Pedofilia NÃO

No meu Blog posto fotos de crianças, entre crianças e com crianças.
Fiz uma música simbólica para ser “decifrada”  pelos adultos, especialmente alguns homens (e algumas mulheres também).
video
(A palavra pedofilia vem do grego παιδοφιλια (paidophilia) onde παις (pais, "criança") e φιλια (philia, "amizade", "afinidade", "amor", "afeição", "atração", "atração ou afinidade patológica" ou "tendência patológica", segundo o Dicionário Aurélio).

Teatro em Jaraguá do Sul














No dia 10 de novembro fomos apresentar o espetáculo AS LUAS DE GALILEU, Direção de Carmen Fossari, em Jaraguá do Sul













As fotos são de Nei Perin, ator e intérprete de Galileu Galilei.

Confesso que me senti pequeno diante de um teatro tão moderno, digital, com assentos para 946 pessoas.

Míriam, Chefe de Eventos da Fundação Cultural com atores da peça AS LUAS DE GALILEU



Contador de história no Hospital do Câncer infantil

Pelo menos por enquanto, para algumas patologias ainda não há vacinas.
Mas podemos observar os sinais e praticar a prevenção. É o caso do câncer infantil, quanto mais cedo for detectado, maiores as chances de cura.
Ao contar histórias no Hospital Infantil Joana de Gusmão, na Ala da Oncologia Infantil, foi possível perceber o grande número de crianças com a doença.
Fui pesquisar algumas formas de prevenção e achei o site abaixo, com dicas importantes de como identificar sinais de alerta:

http://dncci.org.br/inicio.html


Músicoterapeuta & Contador de história


Após entrevistar o músico Eduardo da Cruz, na Rádio Cultura, fui cumprir um compromisso com as crianças do Morro do Horácio e arredores em Florianópolis,  reunidas no salão da Assistência Social São Luiz, no bairro Agronômica. Eduardo da Cruz foi tocar seu violão entre uma história e outra.
Foi muito legal ver  as crianças cantarem as canções que Eduardo tocou no seu violão encantado.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

CONTADOR DE HISTÓRIA NO CEPON - UNIDADE DE INTERNAÇÃO – CENTRO

Atendendo convite da Psicóloga Yamille e do Músicoterapeuta Eduardo, estive na Unidade de Internação de Centro de Pesquisas Oncológicas de Santa Catarina contando histórias para os pacientes.

Psicóloga Yamille, Músico Eduardo, Médica Dra. Daniela, Assistente Social Luciana com Contador de Histórias.
Os pacientes adoraram a experiência e pediram para repetí-la enquanto estiverem internados.
Até a próxima segunda-feira escreverei uma história nova pra contar lá. 

domingo, 7 de novembro de 2010

O CONSTRUTOR DE PONTES *

Dois irmãos que moravam em fazendas vizinhas, separadas apenas por um riacho, entraram em conflito.

Foi a primeira grande desavença em toda uma vida de trabalho lado a lado. Mas agora tudo havia mudado.

O que começou com um pequeno mal entendido, finalmente explodiu numa troca de palavras ríspidas, seguidas por semanas de total silêncio.
Numa manhã, o irmão mais velho ouviu baterem à sua porta.










- Estou procurando trabalho, disse o visitante. Talvez você tenha algum serviço para mim.
-Sim, disse o fazendeiro. Claro! Vê aquela fazenda ali, além do riacho? É do meu vizinho. Na realidade é do meu irmão mais novo.
-Nós brigamos e não posso mais suportá-lo.
- Vê aquela pilha de madeira ali no celeiro? Pois use para construir uma cerca bem alta.
- Acho que entendo a situação, disse o carpinteiro.
- Mostre-me onde estão a pá e os pregos.
O irmão mais velho entregou o material e foi para a cidade.
O homem ficou ali cortando, medindo, trabalhando o dia inteiro.
Quando o fazendeiro chegou, não acreditou no que viu: em vez de cerca, uma ponte foi construída ali, ligando as duas margens do riacho.
Era um belo trabalho, mas o fazendeiro ficou enfurecido e falou:
- Você foi atrevido construindo essa ponte depois de tudo que lhe contei.
Mas as surpresas não pararam ai.
Ao olhar novamente para a ponte viu o seu irmão se aproximando de braços abertos. Por um instante permaneceu imóvel do seu lado do rio.
O irmão mais novo então falou:
- Você realmente foi muito amigo construindo esta ponte mesmo depois do que eu lhe disse.
De repente, num só impulso, o irmão mais velho correu na direção do outro e abraçaram-se, e ali permaneceram por alguns instantes, chorando no meio da ponte.
O carpinteiro que fez o trabalho partiu com sua caixa de ferramentas.
- Espere, fique conosco! – gritou o irmão mais velho
- Não posso, - respondeu o carpinteiro.
- Mas tenho outros trabalhos para você.- insistiu o irmão
- Eu adoraria, mas tenho outras pontes para construir...

Reflexão:

E você, já pensou como as coisas seriam mais fáceis se parássemos de construir cercas e muros e passássemos a construir pontes com nossos familiares, amigos, colegas do trabalho e principalmente com aqueles que pensamos ser nossos inimigos...?
Quebrar o silêncio e responder perguntas pode ser a metáfora de construir pontes...
Não perdoar, é como colocar "o inimigo"  embaixo do travesseiro...Quem consegue dormir bem assim, sempre lembrando?
* (Extraido do livro Contador de história, de Julião Goulart, história número 27)

PÉROLAS DO ENEM 2010

Errar é humano, somos todos aprendizes, mas é bom rir dos nossos erros.
Abaixo algumas respostas e considerações escritas durante as provas do ENEM.

"A natureza brasileira tem 500 anos e já esta quase se acabando"

'O cerumano no mesmo tempo que constrói, também destroi, pois nos temos que nos unir para realizarmos parcerias juntos.'

'Na verdade, nem todo desmatamento é tão ruim. Por exemplo, o do Aeds Egipte seria um bom beneficácio para o Brasil'

"... menos desmatamentos, mais florestas arborizadas. '

'Isso tudo é devido ao raios ultra-violentos que recebemos todo dia.'

'Tudo isso colaborou com a estinção do micro-leão dourado.'

'Imaginem a bandeira do Brasil. O azul representa o céu , o verde representa as matas, e o amarelo o ouro. O ouro já foi roubado e as matas estão quase se indo. No dia em que roubarem nosso céu, ficaremos sem bandeira..'

'... são formados pelas bacias esferográficas. '

'Eu concordo em gênero e número igual.'

'Precisa-se começar uma reciclagem mental dos humanos, fazer uma verdadeira lavagem celebral em relação ao desmatamento, poluição e depredação de si próprio.'

'O serigueiro tira borracha das árvores, mas não nunca derrubam as seringas.
'Vamos deixar de sermos egoistas e pensarmos um pouco mais em nos mesmos.'

E quem não erra?



sábado, 6 de novembro de 2010

Fotos da 25a. Feira do Livro de Florianópolis - Teatro, Poesia, Literatura e Livros

Algumas fotos da  25a. Feira deo Livro  de Florianópolis, onde fui Mestre de Cerimônias e entrevistador na Rádio  da Feira.

Naiade, dançarina e professora de Danças Árabes e Fernando




Sessão de autógrafos e poesia na Feira


Jeanne foi prestigiar o amigo.

Encontro com amigos e livros

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Cinema, Teatro, Oficinas de criação literária e Feira do Livro - Tudo na mesma semana

Dia 3 de novembro foi a exibição do curta-metragem "Viajante ou peregrino?", na Fundação BADESC, uma mostra do cinema catarinense.
Elenco: Fernando de Azevedo, Márcia Cattoi, Bruno Mützenberg, Bernardo Pires e Leonardo Rosa, Produção de Plaza Produções - Florianópolis e Direção de Julião Goulart. Durante a exibição o curta recebeu muitos aplausos.  

Dia 5 de novembro ensaio de teatro na Biblioteca Pública de SC.
Depois Oficina Literária com a palestra do escritor Rudney Otto Pfützenreuter

E, na 25a. Feira do Livro de Florianópolis, fui apresentar Música & Poesia e entrevistar escritoras, escritores, expositores e visitantes.
A escritora Bianca Furtado, na foto com o marido Rogério, lançou seu livro "Brumas da Ilha", sucesso garantido que recomendo.

Entrevistei os escritores Augusto de Abreu, Mara Vianna e aproveitei a presença das organizadoras Rosângela e Elizabet.
 
   
  Durante o evento contei com a participação do DJ Márcio na mesa de áudio e, na disputa dos microfones, dois "fominhas" se entenderam bem.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Meus versos de poeta para a Feira do Livro (seja lá onde for, neste imenso Brasil)

Feira do livro
Fui passear na feira do livro
Sai de casa finalmente!
Dobrei esquinas, cruzeis ruas
E, outra vez me senti gente!
Caminhando nas calçadas
Da cidade tão bonita
É como sonhar com a amada
Com o cabelo enfeitado de fita
Feira de rua, de quadra ou avenida
Da cidade faceira, cheia de esperança
Do Contador de histórias no palco da vida
Que encanta o olhar atento da criança.
Oh! Como é bom quebrar rotinas,
Conhecer o que há de novo
Livro que educa e vibra na retina
Tem poder de libertar o povo.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

A identidade do amor é visível

Durante uma entrevista na Rádio Cultura, no programa “A hora da história”, com Bruno & Mariana, casal de atores da peça As Luas de Galileu, troquei os nomes.
Eu disse, equivocadamente, Bruna & Mariano. Como o programa estava sendo gravado, rimos juntos e depois, graças à edição de áudio do software da Rádio, corrigimos os nomes.














Mas depois que sai da Rádio, e pensando como poeta, tentando justificar, é que entendi a razão do trocadilho: Foi um verso de Mário Quintana que atrapalhou o radialista.
Logo na chegada, percebi o amor que une aquele casal. E os versos, e os nomes se misturaram num “mix” do amor:

AMOR, É QUANDO A GENTE MORA UM NO OUTRO – Mário Quintana

Contador de História conta "A história do homem que resolveu não casar"

video