quarta-feira, 29 de julho de 2009

MINHA EXPERIÊNCIA COM DROGAS

por Julião Goulart *



Em minhas recordações de adolescente, lembro-me das reuniões itinerantes, de casa em casa, onde os jovens se reuniam para dançar e conversar. Fazíamos um mutirão para organizar o ambiente: podia ser na garagem, sala de estar, ou até mesmo num dormitório mais amplo. Bastava arrastar os móveis para criar um espaço de pista de dança para os artistas e dançarinos desfilarem seus charmes. Uns cuidavam do som, outros dos LPs, as gurias dos comes e os guris dos bebes. Para animar, coca-cola ou guaraná com um pouco de vodca para os mais ousados. Mamãe, dona da casa, zelava por todos.
Em cada reunião dançante existia um grupinho que se mantinha afastado, falando uma linguagem de gírias e com olhares compartilhando segredos. Não passava disso, logo chegava a hora de todos irem pra casa dormir, pois precisavam levantar cedo no outro dia para estudar ou trabalhar. Essa era uma das desvantagens de fazer a festa em casa de família, e ainda sob os olhares dos donos da casa. Ninguém falava em drogas.
Sabíamos que existiam alcoolistas, alguns pais de família, jovens e que a maconha era usada em diferentes contextos, mais no mundo artístico.
Hoje aprendemos a marchar com os tempos, aceitar o novo, que sempre vence como diz a música. O mundo está melhor em muitos aspectos, mas, certamente um dos desafios dos novos tempos, é a abordagem educacional das drogas, assunto diário na mídia.
Não é bom reconhecer que as drogas estão matando o melhor da nossa juventude, aumentando os indicadores de violência e acidentes de trânsito.
A Dependência Química (DQ) foi incluída nos programas de saúde pública, como doença, inclusive na lista do CID-10 da OMS.
Doença incurável, mas que tem recuperação pela abstinência.
Costumo dizer em minhas palestras que os drogaditos, diferente dos que não têm a doença, precisam fazer abstinência das substâncias psicoativas para viver e produzir em sociedade.
Como quem tem diabetes e não pode comer açúcar. No caso, renuncia à glicose.
Durante alguns anos, trabalhei com jovens drogaditos, como voluntário num programa de prevenção e recuperação da DQ.

Aprendi muito com eles. Percebi que eles têm uma sensibilidade acima da média. Uma percepção de humanidade capaz de encantar qualquer um. São bons atores, (hábeis manipuladores), que alguns utilizam ardis assim como os estelionatários usam, em virtude da doença.
Urge à sociedade organizada promover discussões em busca da solução mais possível para esse grave problema que atinge famílias, empresas e todos os segmentos sociais. Em breve, a ciência achará as respostas que tanto necessitamos. Enquanto isso, pergunto:
Qual será a maior de todas as drogas?
É preciso respirar fundo, encher os pulmões com o ar da coerência de quem não aceita a realidade como está. Que tem a ousadia de desagradar ao dizer: Que existem pessoas drogas, pais e mães drogas, famílias drogas, profissionais drogas e governantes drogas. E ter muito cuidado ao usar o verbo “são”‘ drogas, e ter a esperança de dizer que eles “estejam” drogas. Que haverá novo amanhã.
Mas a maior de todas as drogas, certamente, é a nossa indiferença perante a diferença entre ser e estar.




Fotos Conen-RS

* Curso de Capacitação em Dependência Química na PUC-RS.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Mostra Literária no Floripa Shopping Letras & Poemas


Floripa Shopping, Livraria Nobel e Oficina Literária Letras no Jardim realizaram, nos dias 25 e 26 de julho, um encontro de poetas, escritores e contadores de histórias.


Presentes também na ocasião, escritores, poetas catarinenses e integrantes do Grupo dos Poetas Livres.


No evento de final de semana, o escritor Julião Goulart foi o facilitador das falas, recitais, organizando a agenda, em nome da Oficina Literária Letras no Jardim, que é coordenada pela escritora Milka Plaza.


No espaço aberto ao público, viajamos no mundo da fantasia, das histórias e contos mágicos que estimulam o exercício da imaginação criativa.


Família de Indaial prestigiou o evento.Valérico, Fabiana & filhos.


No domigo, 26 de julho, apareceram até os super-heróis, vindos das telas da 7ª. Arte.


A música nos eleva para a harmonia dos diferentes.


Poetas, escritores, contistas e contadores de histórias fizeram a festa.


Fernando Pessoa, Carlos Drummond de Andrade, Edurdo Galeano, Mário Quintana e outros escritores e poetas foram lembrados, através de seus versos.
Alguns versos recitados:


“A liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo” - Fernando Pessoa.

“Procures me amar quando eu menos mereço, pois é quando eu mais preciso”. Mário Quintana.

"Os homens distinguem-se pelo que fazem, as mulheres pelo que levam os homens a fazer". CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

"A memória guardará o que valer a pena. A memória sabe de mim mais que eu; e ela não perde o que merece ser salvo." Eduardo Galeano

"A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar." Eduardo Galeano

Academia Catarinense de Letras

Academia Catarinense de Letras - Sessão de autógrafos com Artemio Zanon.

No início de uma noite fria de inverno, 23 de julho, mas aquecida pelo ambiente literário e com um recital de poemas, escritores e convidados foram prestigiar o jurista e escritor Artemio Zanon, autor, entre outros, do livro de poemas, “ Árvore de mim mesmo”.


Presidente da Academia Catarinense de Letras,Escritor Lauro Junkes
e Escritor Julião Goulart


Escritora Deyse de Abreu presente no evento.


Presidente da Academia Desterrense de Letras, Vilson Mendes,Escritor Julião Goulart,Poeta e Escritor Paulo Berri.

Julião Goulart com o Poeta Augusto de Abreu
















Escritor Julião Goulart com o Poeta e Escritor Geraldo Pereira Lopes - Simplesmente Poeta.

sábado, 11 de julho de 2009

SESC-SC OFICINAS DE CAPACITAÇÃO

Fui convidado pelo SESC-SC para fazer o Cerimonial da Solenidade de Encerramento das Oficinas de Capacitação, que ocorreu no CATI, em São José, dia 06 de julho de 2009.
O Projeto Viver Saúde se efetiva como uma forte ação de responsabilidade social do SESC.
O Projeto tem característica itinerante com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento social da comunidade, através da realização de ações de promoção em saúde e formação de agentes multiplicadores buscando efetiva participação comunitária.
É a reorganização da prática assistencial em novas bases e critérios, em substituição ao modelo tradicional de assistência, orientado para a cura de doenças e no hospital.
A atenção está centrada na família, entendida e percebida a partir do seu ambiente físico e social, o que vem possibilitando às equipes da Família uma compreensão ampliada do processo saúde/doença e da necessidade de intervenções que vão além de práticas curativas”.
Em São José as atividades tiveram início na quarta-feira, 27 de maio, com a realização de oficinas temáticas de capacitação para os agentes comunitários de saúde, em parceria com a Secretaria de Saúde.

Nesta primeira fase de execução foram realizadas 13 (treze) oficinas temáticas, capacitando os 240 (duzentos e quarenta) agentes comunitários de saúde, das 19 (dezenove) unidades de saúde presentes nas diversas localidades do município de São José. Durante a fala do Coordenador do Projeto Viver Saúde, Assistente Social Rodrigo Patay Sotomayor, os presentes demonstraram o seu reconhecimento e afeto com salvas de palmas.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

3a. Bienal do Livro de Santa Catarina

Estive na 3a. Bienal do Livro de Santa Catarina, que ocorreu na cidade de Lages, entre os dias 29 de junho e 5 de julho de 2009.
Além de fazer uma palestra motivacional e de autoconhecimento, fui convidado a recitar poemas, uma oportunidade para encontrar pessoas, fazer amigos e aproveitar o ar puro da serra catarinense.
Foi um encontro entre o público com Escritores, Livreiros, Escolas, Professores e Alunos. Parabéns aos organizadores.

André, um novo talento que se mostra naturalmente.

Conheci André, um jovem artista na arte do
desenho, premiado num Concurso de Talentos.


Desenho 3a Bienal do Livro de Santa Catarina






E Almir, jovem escritor.








Cada pessoa é um poema de Deus!

No espaço da ALE – Associação Lageana de Escritores, recitei versos de Mário Quintana, Fernando Pessoa, João Cabral de Melo Netto e Guilherme de Almeida.


Sempre com o olhar atento e amigo do jornalista Nevio Santana Fernandes, Presidente da ALE.

Nos corredores literários, entres livros e papos, encontrei Fernando Coruja, que em breve lançará seu livro, ainda sem título, sobre estratégias para aplicar no jogo de dominó.
Aguardo, com muita expectativa, pois sou um dos tantos apreciadores desse jogo milenar.



E, quando participo de encontros sobre livros, feiras, de editores e escritores, sempre está presente José Vilmar da Silva, livreiro e atual Presidente da Câmara Catarinense do Livro.

Encontrei, com muita alegria, o palhaço Queixinho e sua acompanhante. A pequena Suellen Granemann Ortiz, é filha do artista e animador de festas. O riso desperta a nossa criança interior e nos eleva para o mundo da imaginação e do sonhar nas caminhadas e jornadas da vida.(foto autorizada pelo pai para ser publicada no Blog)