Pular para o conteúdo principal

"Navegar é preciso, viver não é preciso"

(Foto Praia de Jurerê - Florianópolis - Santa Catarina)
"Navegar é preciso, viver não é preciso" *,  frase atribuída a Pompeu, general romano, que animava seus marinheiros quando se negavam a navegar durante a guerra.
A frase em latim soava assim: "Navigare necesse; vivere non  est necesse".
Do livro "Vida de Pompeu", do escritor romano Plutarco (106-48 AC).

A navegação é uma ciência exata, em comparação com a vida, que sabemos onde começa mas jamais onde termina! 
Se o navegador é prisioneiro dos instrumentos, ou seja, só enxerga seu destino a partir destes, o poeta é livre.
O navegador faz uso de instrumentos precisos para se localizar e dar rumo ao seu curso. Já a arte de viver, em todos os sentidos para homens e mulheres, traz a possibilidade metafórica de um deslizamento incessante sobre a cadeia significante das escolhas e que também dependem dos companheiros de viagem.
* Esta frase não é de Fernando Pessoa (1888-1935). Ele a copiou do poeta italiano Francesco Petrarca, que viveu de (1304 a 1374), que por sua vez copiou do General romano Pompeu.


Comentários

  1. Obrigada pela informação. Eu sempre acreditei que era do Pessoa porque nunca indaguei se era ou não.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)