Pular para o conteúdo principal

As Rãs em Busca de Um Rei - Esopo


Uma comunidade de rãs vivia numa bela lagoa. 
Era um lugar perfeito, um verdadeiro paraíso. 
Lá tinha tudo que necessitavam para a sobrevivência de todas e de seus descendentes.
Seria uma harmonia perfeita se soubessem aproveitar as dádivas daquele lugar maravilhoso.
Mas um dia, durante uma assembleia, algumas rãs se queixaram que andavam muito amoladas porque viviam sem lei, e que tudo estava monótono e sem movimento na comunidade. Alguém disse que a comunidade precisava de um rei. A assembleia decidiu que precisavam de um rei. Foram até Zeus e pediram que arranjasse um rei para as rãs.
Zeus percebeu a ingenuidade das rãs e jogou um sapo feito de um toco de árvore, no lago. No começo as rãs ficaram apavoradas com o barulho da água quando caiu o toco e mergulharam bem para o fundo.
Um pouco depois, vendo que o sapo não se mexia, subiram para a superfície e escalaram o tronco. Alguns sapos mais ousados até subiram na cabeça do rei, que não esboçou nenhuma reação.
Aquele rei não prestava, pensaram, e lá se foram pedir outro rei a Zeus.
Mas Zeus já tinha perdido a paciência e lhes mandou para reinar na lagoa, uma cegonha faminta, que passou a viver nas margens.
Sempre que uma rã aparecia para botar a cabeça pra fora d’água, a cegonha dava uma bicada precisa, e lá se ia uma rã.
Em pouco tempo, as reclamações terminaram, pois as rãs agora estavam muito ocupadas com a sobrevivência, não tinham mais sossego.
A partir daquele dia, a lagoa passou a ser muito movimentada e as rãs não tiveram mais tempo para reclamações. Valorizaram cada momento...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)