Pular para o conteúdo principal

O sermão ideal e a importância de contar histórias

Transcrevo matéria de autoria do Frei Aldo Colombo

O sermão ideal

Pesquisa efetuada numa paróquia de classe média na capital paulista revela a reação dos fiéis diante das pregações dominicais. Nada menos de 62% dos entrevistados ao final da missa, nada mais lembravam do sermão; outros 30% lembravam alguns dados, mas sem um dado conclusório. Um percentual grande dos presentes - cerca de 67% - não havia gostado do sermão e entre as principais restrições: a duração e o tom moralista.
Mesmo não se tratando de uma pesquisa científica, as conclusões concordam com o modo geral do sentir dos fiéis diante da pregação. Evidentemente, esta muda de acordo com o padre. De resto, sermão tornou-se sinônimo de algo negativo, aborrecido e moralista. Alfred McBride, professor de homilética do Instituto João XXIII de Massachussetts coloca os ingredientes do sermão ideal.
Começar com uma história. Os fiéis chegam à igreja com sua própria história. Levam dentro de si um filme pessoal cheio de inquietações, temores e esperanças para si mesmos e seus familiares. A primeira atitude do pregador é atrair a atenção e nada melhor que contar uma história que sirva de referência para a Palavra de Deus anunciada. A pregação de Cristo está cheia de fatos, tirados do dia-a-dia. Outras vezes Ele mesmo elabora uma história - parábola - da qual tira as necessárias conclusões. Será a história que irá lembrar o objetivo doutrinal. Hoje vivemos a civilização audiovisual e existe ainda maior dificuldade em acompanhar uma exposição puramente verbal.
Apresentar somente um ponto. Uma homilia que tenha força é como um rifle com uma única bala direcionada ao coração. Não se limitar a um ponto é falta de disciplina retórica. De alguma maneira o pregador defende uma pequena tese e esta deve ter um andamento linear. Caso contrário, encherá o espaço com numerosos detalhes. Este único ponto, já lembrava Santo Tomás de Aquino, pode ser desenvolvido em três partes, desde que tenham lógica entre si.
Ter um objetivo claro. Este ponto depende, quase sempre, de uma cuidadosa preparação. Isto significa começo, desenvolvimento lógico e conclusão. O grande orador romano Cícero recomendava sempre escrever antes o texto. Mas isto não quer dizer que o sermão deva ser lido. É muito útil ter em frente um papel com o esquema central da pregação.
Olhar e amar as pessoas. O sermão precisa ser uma comunhão entre o pregador e os ouvintes. A homilia precisa ser uma conversação de fé e um testemunho de um pregador que é um pastor cheio de amor para com o seu povo. Nada pior que o moralismo e a amargura. Num passado recente, no Brasil, o profetismo foi substituído pela amargura, o que acabou afastando muita gente das comunidades. Hoje voltou com força a Pastoral da Acolhida, que deve refletir-se também no sermão. Cristo atacava atitudes, mas amava as pessoas. Os Atos dos Apóstolos nos contam a atitude de um pregador de Antioquia que pediu: "Se alguém tiver uma palavra de encorajamento, pode falar" (Atos 13,15).

Pregar a Cristo. Os quatro Evangelhos são exemplos de como os apóstolos pregavam. Seu objetivo eram as palavras, os milagres, os gestos, o mistério de Jesus de Nazaré. Como o tempo do sermão é curto deve ser priorizado o anúncio de Jesus. Para a catequese existem outros espaços. No final da reunião dominical, o ouvinte deve ter-se apaixonado um pouco mais da pessoa de Jesus e lembrar um fato que o ajude a lembrar seus ensinamentos e torná-los vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

Lua cheia e a Lenda do Coelho

Ao sair para caminhar percebi a lua cheia no céu claro e iluminado por ela. Foi possível ver o perfil de um coelho que os orientais afirmam existir na lua cheia.

A Lenda do Coelho
Segundo a história budista, num certo dia um velho senhor pediu comida para um macaco, uma lontra, um chacal e um coelho.
O macaco colheu frutas e trouxe para o velho senhor, a lontra trouxe peixes e o chacal, um lagarto.
No entanto o coelho não trouxe nada, pois as ervas que constituem a sua alimentação não eram boas para os humanos. E então o coelho decidiu oferecer seu próprio corpo e se jogou no fogo.
Porém o corpo do coelho não se queimou, pois o senhor era uma divindade que observava tudo na terra.

E para as pessoas lembrarem do sacrifício do coelho, o homem desenhou a imagem do coelho na lua cheia. Diz a lenda que só os apaixonados pela vida conseguem ver o coelho, e que a lua cheia não é só dos poetas e daqueles que se entregam ao amor...

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)