Pular para o conteúdo principal

Inspirações para escrever e contar histórias na Rádio Cultura


Na  busca de inspirações para escrever,  e de  novas histórias para contar na rádio,  fui até o Uruguai, país que faz fronteira terrestre só com o Brasil, mais especificamente com o estado do Rio Grande do Sul. As demais fronteiras do Uruguai são limitadas por rios.

Em Montevidéu percebi  muitas semelhanças com Porto Alegre. Na coleta de lixo, considerada uma das mais modernas do mundo, na arborização que encanta os turistas e na hospitalidade. É a capital de país  mais arborizada da América Latina.

E tem mais, o Aeroporto  de Carrasco é o mais moderno da AL e Montevidéu é a capital administrativa do MERCOSUL. 

No contraponto, a preço da gasolina é superior ao praticado no Brasil, algo em torno de 34 pesos uruguaios que equivale a 3,4 reais.

Na terra do Eduardo Galeano, que conheci em Porto Alegre, a gente se sente a vontade nas ruas, nas livrarias e nas feiras.

No trânsito o pedestre tem prioridade de usar as ruas e avenidas. É uma obrigação parar e dar passagem  " Ceda el paso".
A história do  holocausto dos índios Charruas me impressionou por demais ao saber que foram atraídos numa armadilha, onde foram queimadas depois de uma emboscada. Muitos "charruas" fugiram para o Rio Grande do Sul e outros países.



Foram capturados  4  charruas que foram levados para Paris para serem exibidos em circos ambulantes como "selvagens".
Em Colônia do Sacramento, Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade, segundo a UNESCO, em cada pedra do calçamento, podemos sentir que  há uma poema construído na história humana.













Deixo uma pergunta aos meus leitores e ouvintes: Há alguma relação entre Colônia do Sacramento e Florianópolis ( antiga Desterro)?
Um dica é pesquisar o Tratado de Santo Ildefonso...  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

Lua cheia e a Lenda do Coelho

Ao sair para caminhar percebi a lua cheia no céu claro e iluminado por ela. Foi possível ver o perfil de um coelho que os orientais afirmam existir na lua cheia.

A Lenda do Coelho
Segundo a história budista, num certo dia um velho senhor pediu comida para um macaco, uma lontra, um chacal e um coelho.
O macaco colheu frutas e trouxe para o velho senhor, a lontra trouxe peixes e o chacal, um lagarto.
No entanto o coelho não trouxe nada, pois as ervas que constituem a sua alimentação não eram boas para os humanos. E então o coelho decidiu oferecer seu próprio corpo e se jogou no fogo.
Porém o corpo do coelho não se queimou, pois o senhor era uma divindade que observava tudo na terra.

E para as pessoas lembrarem do sacrifício do coelho, o homem desenhou a imagem do coelho na lua cheia. Diz a lenda que só os apaixonados pela vida conseguem ver o coelho, e que a lua cheia não é só dos poetas e daqueles que se entregam ao amor...

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)