quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Pontos cegos


Breve reflexão depois de reler O MANUAL MÍNIMO DO ATOR|.


Verdades são subjetivas, pessoais, não têm dono. Mas, sempre acreditei como verdade para mim, que homens e mulheres têm pontos cegos de autojulgamento. E, quando alguém nos diz   vai “te enxergar!”, deveríamos seguir o  conselho, em vez de retribuir a deselegância.
Sobre isso, o escritor e dramaturgo Dario Fo, prêmio Nobel de Literatura 1997, relata uma história interessante.
Ele conta que  estava num evento na Europa, com dimensão internacional. Vários palestrantes ocupariam a tribuna. Dario Fo seria um dos palestrantes. Quando chegou a vez do dramaturgo, ele começou a imitar os palestrantes que já tinham se apresentado, apenas com imitações dos movimentos e gestos corporais.
A plateia, atenta, logo identificou cada um dos imitados. Ouviram-se  risos e aplausos enquanto talentoso palestrante interpretava e fazia coreografias.
No final da apresentação, pessoas foram interrogar os palestrantes que Dario Fo imitou. Estranhamente, todos  disseram as mesmas frases:
- Eu não sou assim... Este não sou eu...

Nenhum comentário:

Postar um comentário