Pular para o conteúdo principal

O Livro do Destino


No meu livro O Contador de história, conto a lenda oriental sobre um certo livro encontrado no deserto, chamado de “O Livro do Destino”. É uma história magnífica, de autoria desconhecida e que nos induz a reflexões maravilhosas para viver intensamente o presente. Quando escrevi o roteiro da peça “O Contador de Histórias e a Árvore dos sapatos” inspiração de uma história de Mia Couto, representamos no palco a lendária história, numa releitura contemporânea.
Existem muitas releituras da lenda, e em vários idiomas.
Abaixo a versão de Aldo Colombo:
“Entre a inconsciência e o sonho tive a visão de um palácio maravilhoso, feito de cristais. Uma placa informava: Livro da Vida. O anjo que cuidava do palácio informou-me que lá estavam os registros da vida, digitalizados, de todos os habitantes da Terra. Na primeira página estava o passado de cada um, imutável, definitivo. No verso o futuro de cada um. Quem tivesse acesso ao palácio poderia modificar o futuro, excluindo todo o negativo e substituí-lo por coisas positivas. Ou até fazer o contrário. Depois de muito implorar, o anjo permitiu que eu entrasse no palácio por cinco minutos. Quase não acreditei na maravilhosa chance. Eu seria uma pessoa feliz, inteiramente feliz.
A porta se abriu e logo vi o Livro da Vida do meu pior inimigo. Não resisti. O passado correspondia ao que sabia dele, mas seu futuro não era tão ruim. Existiam coisas boas. Rapidamente, apaguei as coisas boas e tornei ainda piores as coisas más. Encontrei também o livro da vida do meu primeiro professor. Ele parecia ter gosto em me humilhar e me dava notas bem inferiores às merecidas. Mais uma vez, substitui coisas boas por algumas menos boas. Bem ao lado, o livro da vida de um político de sucesso. O que o futuro reservava para ele? Finalmente, o livro da minha vida. Eu apagaria as dores e fracassos e colocaria tudo o que me fizesse feliz. Nisto o anjo tocou no meu ombro e disse: Tempo esgotado! Os cinco minutos haviam passado. Não haveria prorrogação. Coloquei as mãos no rosto e chorei. E saí da sala.
Na vida, cada um de nós tem a possibilidade de escolher ser feliz. Porém gastamos muito tempo controlando a vida dos outros. Colocamos nelas o tempero da maldade, e até mesmo um pouco de inveja, na perspectiva que sua felicidade diminuiria a nossa. Também criamos versões nada caridosas do bem que elas fazem. E cuidando dos demais, esquecemos nossa vida e nossas falhas.
A comparação entre nossa vida e um livro procede. As primeiras páginas não são nossas. Não escolhemos nossos pais, não escolhemos o tempo de nascer, nem escolhemos a escola. Aos poucos, porém, assumimos a autoria do livro. Cada página representa uma ou algumas escolhas nossas. As pequenas escolhas encaminham escolhas maiores. Fazemos nossas escolhas e elas fazem nossa vida. 
Nós somos o resultado de nossas escolhas. Não das escolhas feitas no passado, mas das escolhas que fazemos hoje. A vida tem uma lógica: as causas geram consequências. No entanto, temos a incrível possibilidade de quebrar esta sequência. Cada um de nós pode dizer: de hoje em diante será diferente. E assim começamos a reescrever o livro de nosso futuro. Podemos e devemos substituir a maldade, a mágoa, a inveja, o egoísmo, por outros valores: o serviço, a partilha, a bondade, a prece. Podemos modificar a distribuição de nosso tempo e nossas prioridades. 
Se uma coisa é importante, deve ser feita hoje, agora. Agora são os cinco minutos em que podemos modificar nosso futuro, povoando-o de felicidade. Santo Agostinho afirma: Deus dá a todos o perdão e a possibilidade de recomeçar, mas não garante a ninguém o dia de amanhã. A qualquer momento poderemos escutar a frase: tempo esgotado!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

Lua cheia e a Lenda do Coelho

Ao sair para caminhar percebi a lua cheia no céu claro e iluminado por ela. Foi possível ver o perfil de um coelho que os orientais afirmam existir na lua cheia.

A Lenda do Coelho
Segundo a história budista, num certo dia um velho senhor pediu comida para um macaco, uma lontra, um chacal e um coelho.
O macaco colheu frutas e trouxe para o velho senhor, a lontra trouxe peixes e o chacal, um lagarto.
No entanto o coelho não trouxe nada, pois as ervas que constituem a sua alimentação não eram boas para os humanos. E então o coelho decidiu oferecer seu próprio corpo e se jogou no fogo.
Porém o corpo do coelho não se queimou, pois o senhor era uma divindade que observava tudo na terra.

E para as pessoas lembrarem do sacrifício do coelho, o homem desenhou a imagem do coelho na lua cheia. Diz a lenda que só os apaixonados pela vida conseguem ver o coelho, e que a lua cheia não é só dos poetas e daqueles que se entregam ao amor...

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)