Pular para o conteúdo principal

ERA UMA VEZ... UM FILHO


  Um homem muito rico e seu filho tinham grande  paixão pela arte. Tinham de tudo em  sua coleção, desde Picasso até Rafael. Muito unidos, se  sentavam juntos para admirar as grandes obras  de arte. Por uma desgraça do destino, seu filho foi para guerra. Foi muito valente, e morreu em batalha, quando  resgatava outro soldado. O pai recebeu a  notícia e sofreu profundamente a morte de seu único filho.
  Um mês mais tarde, justo antes do natal,  alguém bateu à porta... Um jovem com uma grande tela em suas mãos disse ao pai:

- "O senhor não me conhece, mas eu sou o soldado  por quem seu filho deu a vida, ele salvou  muitas vidas nesse dia, e estava me levando a um lugar seguro quando uma bala lhe atravessou o peito, morrendo assim, instantaneamente.

  Ele falava muito do senhor  e de seu amor pela arte". E o rapaz estendeu os braços para entregar a tela: "Eu sei que não é  muito, e eu também não sou um grande artista, mas sei também que seu filho gostaria que o senhor recebesse isto". O pai abriu a tela. Era  um retrato de seu filho, pintado pelo jovem soldado. Ele olhou com profunda admiração a maneira com que  o soldado havia capturado a personalidade de  seu filho na pintura. O pai estava tão atraído pela expressão dos olhos de seu filho, que seus  próprios olhos se encheram de lágrimas. Ele agradeceu ao jovem soldado, e ofereceu pagar-lhe  pela pintura.
  "Não, senhor, eu  nunca poderia pagar-lhe o que seu filho fez por mim, essa pintura é um presente". 
  O pai colocou a tela a frente de suas grandes obras  de arte, cada vez que alguém visitava  sua casa, ele mostrava o retrato do filho, antes de mostrar sua famosa galeria. O homem morreu alguns meses mais tarde, e  se anunciou um leilão de todas as suas  obras de arte. Muita gente importante e influente , com grandes expectativas de comprar verdadeiras obras de arte. Em  exposição estava o retrato do  filho. O leiloeiro bateu seu martelo para dar início ao  leilão. 

- Começaremos o leilão com o retrato  "O FILHO". Quanto oferecem por este  quadro?

  Um grande silêncio...Então um grito do  fundo da sala: "Queremos ver as pinturas famosas!!!", Esqueça- se desta!!!!. O leiloeiro  insistiu... 

- Alguém oferece algo por essa pintura?? $100?  $200?
  Mais uma vez outra voz: - "Não viemos por  esta pintura!, Viemos por Van Goghs, Picasso,..Vamos as ofertas de verdade...
  Mesmo assim o leiloeiro continuou...
- O FILHO!!! O FILHO!!! Quem leva o filho?
  Finalmente, uma voz :
- Eu dou $10 pela pintura. Era o velho jardineiro da  casa. Sendo um homem muito pobre, esse era o  único dinheiro que podia oferecer.
 - Temos $10! quem dá $20? gritou o leiloeiro.  As pessoas já estavam irritadas,  não queriam a pintura do filho, queriam as que realmente eram valiosas, para completarem sua  coleção. 
  Então o leiloeiro bateu o martelo. Dou-lhe  uma, dou-lhe duas , vendida por $10!!! -  Agora vamos começar com a coleção!!, gritou um. 
  O leiloeiro soltou seu martelo e disse: Sinto muito  damas e cavalheiros, mas o leilão  chegou ao seu final.
- Mas, e as pinturas? disseram os  interessados.
- Eu sinto muito, disse o  leiloeiro, quando me chamaram para fazer o leilão, havia um segredo estipulado no testamento do dono.  Não seria permitido revelar esse  segredo até esse exato momento. Somente a pintura "O FILHO" seria leiloada e aquele que a comprasse  herdaria absolutamente todas as posses deste homem inclusive as famosas pinturas. O homem que comprou O FILHO fica  com tudo!....

  Reflexão: Deus nos entregou seu filho, que  morreu numa cruz a 2000 anos.
  Assim ,como o leiloeiro, a mensagem hoje é O  FILHO, quem ama o filho tem tudo.

Autor Desconhecido

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

Lua cheia e a Lenda do Coelho

Ao sair para caminhar percebi a lua cheia no céu claro e iluminado por ela. Foi possível ver o perfil de um coelho que os orientais afirmam existir na lua cheia.

A Lenda do Coelho
Segundo a história budista, num certo dia um velho senhor pediu comida para um macaco, uma lontra, um chacal e um coelho.
O macaco colheu frutas e trouxe para o velho senhor, a lontra trouxe peixes e o chacal, um lagarto.
No entanto o coelho não trouxe nada, pois as ervas que constituem a sua alimentação não eram boas para os humanos. E então o coelho decidiu oferecer seu próprio corpo e se jogou no fogo.
Porém o corpo do coelho não se queimou, pois o senhor era uma divindade que observava tudo na terra.

E para as pessoas lembrarem do sacrifício do coelho, o homem desenhou a imagem do coelho na lua cheia. Diz a lenda que só os apaixonados pela vida conseguem ver o coelho, e que a lua cheia não é só dos poetas e daqueles que se entregam ao amor...

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)