Pular para o conteúdo principal

Bom ouvir os leitores, e responder.


Written by da Redação on 20 fevereiro 2009
Julião Ayrton
Aprendendo com os Animais: eu sou eu ou sou você?
il. Valdemir Gonçalves de Lima; Alexandre Schweickardt
EST Edições, 2004 (2ª ed.)
1ª ed. (2004)
128 pp.
ISBN 857517050-3
Dar livros a escritores pode ser às vezes um problema. Ganhei este, que de certo modo prometia. Realmente considero que há muita coisa a ser aprendida, através de vários animais, incluindo os Grandes Primatas Humanos (GPH), por mais descabido que isso pareça. Um tanto surpresa, um tanto alegre, fiz o que sempre faço quando tenho um livro nas mãos: folheei-o e escolhi uma frase a esmo.“Os cães, quando vão para a nossa cama, querem a nossa companhia. Já os gatos, quando vão para a nossa cama, querem a nossa cama!” (p.46).Das duas, uma: ou o Sr. Julião Ayrton nunca teve contato aproximado com gatos, ou ele preferiu disgressar em lugares-comuns. Porque dizer que o gato gosta da casa e o cachorro do dono é a coisa mais batida do planeta, e nem sempre correta.Em primeiro lugar, adoro cachorros. Deixo isso claro para ninguém vir com “ah, ela diz isso porque prefere gatos”. Convivo com cães e gatos (e jegues, galinhas, cabras, gansos…) desde que me conheço por gente.Tem vezes que cães vo para a nossa cama sem que estejamos lá. Até mesmo rosnam caso a gente apareça para perturbar sua siesta. Tive um poodle assim, por isso sei do que estou falando.Esse mesmo poodle atacou o joelho de um colega de escola, apenas porque eu o detestava, e ele sabia disso. Milu – o meu poodle mendigo, um rasta de picão – e eu éramos tão ligados que eu nem precisava dar a ordem; ele sentia a mesma animosidade.Cães são divertidos e elegantes, do mesmo modo como gatos são divertidos e elegantes. Tudo vai depender do temperamento do bicho e do temperamento do bicho do bicho – ou seja, o dono.Certamente não levo meu gato à praia – embora já tenha tentado -, e quando não tem bípedes que não voam por perto (os GPH), eu levo meu cachorro. Já que desde essa proliferação de “Proibido Animais na Praia” nem sempre é possível apreciar uma boa corrida canina atrás das gaivotas. Quando o assunto é passeio, acho mais seguro levar meu cão. Ele aceita melhor a guia e não tem problemas em ser conduzido.Quando o assunto é trabalhar acompanhado, eu certamente prefiro meu gato. Ele não fica ganindo e bufando, nem arranhando meu colo, ou babando na minha calça, ansioso por atenção. Meu gato deita e esquece do mundo, deixando-me trabalhar esquecida do mundo. Quando ele decide que já se passou um tempo considerável, acorda, boceja, espreguiça-se e agarra o fio do meu mouse. Se assim mesmo eu o ignorar, ele passa a ser mais agressivo, e passeia pelo teclado do meu laptop, arruinando meu texto. Prontamente, então, eu o obedeço, agarrando-o e levando-o ao prato de comida, de água, ou à porta – o que ele preferir. Normalmente, após a primeira assertiva, já o atendo na pegada do mouse.Tudo depende do vínculo que se cria entre os animais – neste caso, entre o GPH e o gato, ou o cão, ou outro animal em questão. Já falei sobre esta história do vínculo, e acredito mesmo nisso. Já conheci gatos indiferentes e conheço gatos companheiros, que estão pouco se lixando para a cama, e sim para quem está deitado nela. Do mesmo modo, já conheci cães escorregadios e cães altamente fiéis, assim como já conheci cães agressivos com seus donos – que mereciam a agressividade.É como o Machadão já dizia, desbundando semiótica, pelos idos de 1896: “As coisas têm o valor do aspecto, e o aspecto depende da retina”. Quem olhar o gato como um interesseiro mais preocupado com a casa do que com seu dono, terá um exatamente assim.
Por Luana von Linsingen (Escrivaninha)

Olá Senhora Luana.

Aproveito a oportunidade que a WEB nos concede para agradecer seus comentários sobre o meu livro “Aprendendo com os animais”. Já tive gatos e cães. Meus gatos morreram cedo. Um foi atropelado, gostava de sair nas noites, e o outro morreu por doença. Ainda tenho minha cadelinha Rebeca, que me motivou escrever o livro que você teve a gentileza de fazer um comentário. Rebeca está com 16 anos e requer mais cuidados que um gato velho. Gato têm 7 vidas, é mistério, foi divindade no Egito e cada animal tem a sua biologia na relação com o universo. Algumas interpretações são subjetivas, dependem das carências e dos nossos apegos.

Meus livros têm me oportunizado conhecer pessoas, seus trabalhos e, foi graças ao “Aprendendo com os animais” que conheço você, seus trabalhos nas escolas.
Sabe de uma coisa? Descobri que temos muitas coisas em comum, além de gostar de gatos: escolas, crianças e educação. Parabéns pelo seu trabalho.
Obrigado.

Julião Goulart Blog>>> http://www.juliaogoulart.blogspot.com/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)