domingo, 26 de fevereiro de 2012

Era uma vez...

Era uma vez... Eu trabalhava como voluntário num Grupo de recuperação de Dependentes Químicos (jovens drogaditos) e havia um jovem que não participava da reunião. Ele ficava do lado de fora da sala. Antes de começar as reuniões eu colocava uma música. Por semanas o jovem ouvia do lado de fora mas não participava das reuniões, até o dia que ele ouviu "Enquanto houver sol" dos Titãs. Enquanto a música tocava percebi que a porta da sala se abriu e aquele jovem me olhou nos olhos. Com a mão fiz sinal que entrasse. 
E, terminando a história real, hoje aquele jovem é um cidadão produtivo e livre das drogas. Ele contou-me que a música foi como um apelo de vida para ele. A história me encantou tanto que depois fui estudar mais o assunto na PUCRS onde fiz Curso de Capacitação em Dependência Química. Afirmo com convicção que DQ é uma doença  que precisa ser tratada e com o envolvimento de todos do grupo familiar. Então, Enquanto houver sol para nós, vamos cantar a alegria de viver.

Um comentário:

  1. Que linda história!
    Fiquei emocionada.
    Parabéns pelo blog, não me canso de ler!

    ResponderExcluir