Pular para o conteúdo principal

DIA NACIONAL DO LIVRO

No dia nacional do livro, 29 de outubro, olhei para a  minha pequena estante de livros  e dois  chamaram a minha atenção: um, de autoria de  Rubem Alves e outro de Friedrich Nietzsche.
Sem considerar que me encontrava bem ocupado na leitura de um livro sobre Roteiros, MANUAL DO ROTEIRO, de Syd Field, Mas no dia nacional do livro, resolvi folhear algumas páginas das obras citadas.
No livro do educador e contador de histórias Rubem Alves, OSTRA FELIZ NÃO FAZ PÉROLA,  o autor escreve:  Ostra feliz não faz pérolas. Isso vale para as ostras e vale para nós, seres humanos. As pessoas que se imaginam felizes simplesmente se dedicam a gozar a vida. E fazem bem. Mas as pessoas que sofrem, elas têm de produzir pérolas para poder viver. Assim é a vida dos artistas, dos educadores, dos profetas. Sofrimento que faz pérola não precisa ser sofrimento físico. Raramente é sofrimento físico. Na maioria das vezes são dores na  alma”.
O tema já ocuparia o restante do sábado para jogar conversa fora na academia e em rodas de amigos se eu não tivesse também lido o prólogo do livro ALÉM DO BEM E DO MAL, do famoso filósofo alemão Friedrich Nietzsche. E o que chamou a minha atenção foi  à frase reflexiva, a primeira frase do prólogo do livro: “Supondo que a verdade seja uma mulher.” Nietzsche propõe que se pense a verdade como se ela fosse uma mulher e os filósofos dogmáticos como homens incapazes de conquistá-la. Pensei na universalidade do tema diante das dificuldades do amor. Elas dizem “homem é tudo igual”  e nós homens  jamais entenderemos uma razão feminina. Os gêneros se completam.
Já no livro MANUAL DO ROTEIRO, do roteirista americano Syd Field que estou relendo inteiramente para escrever um roteiro que devo apresentar na UDESC, no curso de Edição de Vídeo, o autor expõe de forma simples os segredos de um bom roteiro de cinema. No livro o autor  faz  considerações conectivas entre livro (romance), teatro e cinema.
Algumas frases que garimpei na obra do cineasta e escritor:
“Num romance a ação acontece dentro do universo mental da ação dramática.
Numa peça de teatro, a ação, ou enredo. Acontece no palco, sob o arco do proscênio, e a platéia torna-se  a quarta parede. Nesse caso, a ação da peça ocorre na linguagem da ação dramática: que é falada em palavras.
O filme é um meio visual que dramatiza um enredo básico; lida com fotografias, imagens, fragmentos e pedaços de filme.
Se o roteiro é uma história contada em imagens, então o que todas as histórias têm em comum? Um início, meio e fim, ainda que nem sempre nessa ordem.
Aristóteles definiu as três unidades da ação dramática: tempo, espaço e ação. Syd Field se utiliza da divisão da hsitória que conta em 3 partes:  ATO I, Ato II e ATO III.
No ATO I o roteirista deve apresentar a história, os personagens e a premissa dramática.
ATO II ou Confrontação. Uma série de obstáculos que o protagonista deve vencer para alcançar ou não a necessidade dramática.
ATO III ou Resolução. Resolução não significa fim, mas solução.
Entre os atos existem os pontos de viradas (plot point) que pode ser  qualquer incidente, episódio ou evento que engancha na ação e reverte noutra direção - nesse caso o início do próximo ATO.”
Por enquanto fico por aqui, FELIZ DIA NACIONAL DO LIVRO. Só na vida não há roteiros...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

Lua cheia e a Lenda do Coelho

Ao sair para caminhar percebi a lua cheia no céu claro e iluminado por ela. Foi possível ver o perfil de um coelho que os orientais afirmam existir na lua cheia.

A Lenda do Coelho
Segundo a história budista, num certo dia um velho senhor pediu comida para um macaco, uma lontra, um chacal e um coelho.
O macaco colheu frutas e trouxe para o velho senhor, a lontra trouxe peixes e o chacal, um lagarto.
No entanto o coelho não trouxe nada, pois as ervas que constituem a sua alimentação não eram boas para os humanos. E então o coelho decidiu oferecer seu próprio corpo e se jogou no fogo.
Porém o corpo do coelho não se queimou, pois o senhor era uma divindade que observava tudo na terra.

E para as pessoas lembrarem do sacrifício do coelho, o homem desenhou a imagem do coelho na lua cheia. Diz a lenda que só os apaixonados pela vida conseguem ver o coelho, e que a lua cheia não é só dos poetas e daqueles que se entregam ao amor...

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)