Pular para o conteúdo principal

Roteirista – Modular entre a ficção e a realidade

Cada roteirista tem as suas manias. Tenho as minhas, carrego um pequeno bloco de anotações e caneta por onde ando para anotar idéias, conexões entre o real e o imaginário.
Se para escrever uma crônica é  necessário pegar um retalho do cotidiano, misturando com expressão poética e suas variações, escrever um roteiro para teatro ou cinema é bem diferente.
No primeiro caso a mensagem é literária e de leitura individual, no  segundo, há uma riqueza de elementos visuais, auditivos que se misturam com a escuta coletiva da platéia e múltiplas interações de um grupo de interesse comum que compartilham o mesmo espaço.
Na leitura individual o leitor cria a sua própria imagem, por vezes bem diferente da descrita pelo escritor. O ser humano é uma criatura de dimensões complexas,  combina raízes culturais, instrução formal, medos enfrentados ou não e suas experiências acumuladas, entre outros.
É o que chamamos de subjetividade. No meu mais recente trabalho de roteirista, um curta-metragem de ficção, fui buscar na milenar arte de pescar a inspiração para o novo filme.
Era uma vez um pescador que tinha um sonho... Queria ter o seu próprio barco de pesca. Sua mulher também tinha um sonho desde criança – ser enfermeira -, uma profissão que considerava exercício de amor e solidariedade. Ambos viviam na realidade de uma peixaria, como empregados. Ele vendedor, e ela limpadora de peixes.
Um dia, não muito longe dali, um grande transatlântico se aproxima da costa catarinense trazendo turistas e passageiros quando algo aconteceu e o sonho do casal começou a se transformar em realidade.
O final da história, adiantada nessa breve sinopse do roteiro, será contada quando o curta-metragem for produzido. O roteiro está pronto e é repleto de surpresas.
Prometo que se eu for o diretor de mais esse curta-metragem, trabalharei intensamente com os arquétipos comportamentais, deixando de lado a minha interpretação subjetiva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

Lua cheia e a Lenda do Coelho

Ao sair para caminhar percebi a lua cheia no céu claro e iluminado por ela. Foi possível ver o perfil de um coelho que os orientais afirmam existir na lua cheia.

A Lenda do Coelho
Segundo a história budista, num certo dia um velho senhor pediu comida para um macaco, uma lontra, um chacal e um coelho.
O macaco colheu frutas e trouxe para o velho senhor, a lontra trouxe peixes e o chacal, um lagarto.
No entanto o coelho não trouxe nada, pois as ervas que constituem a sua alimentação não eram boas para os humanos. E então o coelho decidiu oferecer seu próprio corpo e se jogou no fogo.
Porém o corpo do coelho não se queimou, pois o senhor era uma divindade que observava tudo na terra.

E para as pessoas lembrarem do sacrifício do coelho, o homem desenhou a imagem do coelho na lua cheia. Diz a lenda que só os apaixonados pela vida conseguem ver o coelho, e que a lua cheia não é só dos poetas e daqueles que se entregam ao amor...

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)