Pular para o conteúdo principal

Da história para o palco

Uma história que conto na peça O Contador de histórias e a árvore dos sapatos.
O ESPELHO sempre foi um objeto no mínimo curioso. Ver a si mesmo. No período de colonização era um dos principais produtos de troca com os índios.
No conto da Branca de Neve e os Sete Anões, dos Irmãos Grimm, diariamente, a rainha perguntava ao seu Espelho Mágico quem era a mulher mais bela do reinado. E ficava diante do espelho cheia de vaidade e autoadmiração.
Na mitologia grega, Narciso, ao ver a sua imagem refletida no espelho da água limpa do lago, de tão entorpecido ao admirar a própria beleza, cai no lago e morre.E o lago chorou.Era de água doce, mas, de tanto chorar, ficou com água salgada. É que o lago contemplava a própria beleza através da retina dos olhos de Narciso.Até o lago era vaidoso, como nós humanos.
 O narcisismo tem o seu nome derivado de Narciso, e ambos derivam da palavra Grega narke, "entorpecido" de onde também vem a palavra narcótico. Assim, para os gregos, Narciso simbolizava a vaidade e a insensibilidade para com os outros.
E se pensarmos em nossos  espelhos interiores, que auto-imagem cada pessoa tem de si mesmo?
 Durante quase 800 anos, a Espanha foi dominada pelos árabes muçulmanos. Após a surpresa inicial da invasão da península Ibérica, começou a chamada Reconquista. Os jovens cristãos eram incentivados a participar dos torneios, fortalecendo a coragem e o vigor físico, preparando-se assim para - mais tarde - lutar contra os invasores. Surgiram daí episódios épicos. O mais conhecido, talvez, seja o de El Cid Campeador, que derrotou dezenas de príncipes árabes.
Com a finalidade de incentivar um jovem medroso, que não aceitava participar dos torneios, o pai deu-lhe um espelho dourado. Explicou que era mágico: seu portador jamais seria derrotado em torneios ou mesmo em batalhas. A partir daí, a vida deste jovem modificou-se. Ele venceu todos os torneios, com incrível capacidade de manejar armas. Sua coragem e habilidade tornaram-se, mais tarde, lendárias nos combates.
Passados anos, imaginando que isso não faria mal algum, um companheiro revelou a verdade. O espelho não era mágico, era um espelho comum. A valentia era pessoal. Imediatamente a insegurança voltou e o guerreiro não mais participou de torneios e combates, recolhendo-se a uma vida sem garra e sem sentido.
Cada um de nós é portador de uma auto-imagem. Isso significa a maneira como nos vemos. Uma auto-imagem positiva desencadeia grande dinamismo, enquanto uma auto-imagem fraca faz com que seu portador se esconda, cheio de medos. E porque não acredita em si mesmo, acaba fracassando. A auto-imagem é formada nos primeiros anos de vida. Esses “comandos iniciais” que se originam a partir da opinião dos pais, familiares e mestres, tendem a se perpetuar. Daí a importância de elogiar e valorizar positivamente qualquer progresso no crescimento pessoal das crianças e filhos.
É claro que existe a possibilidade de reação. A pessoa, num momento qualquer, pode tomar uma decisão e empunhar as rédeas da própria vida. Em qualquer etapa da vida podemos dizer: de hoje em diante será diferente. O medo, na medida certa, é saudável e nos ajuda na sobrevivência diante dos perigos.
Mas nós não dependemos de coisas mágicas. A autoconfiança, o valor, a magia estão dentro de nós. Não é o espelho que nos dá certeza. É a maneira como olhamos a figura que está no espelho. Nem sempre percebemos nossa real dimensão. A criatura humana é demasiadamente grande para bastar a si mesma. Deus nos revela a nossa verdadeira grandeza. Existe uma dimensão mágica e real em nossa vida: a fé. A certeza de um Deus que nos ama, que revela sua ternura na misericórdia, que caminha conosco, nos possibilita enfrentar todas as batalhas da vida. De resto, não é só a vitória que tem sabor. Nossa realização está na luta. Combater o bom combate tem todo o significado e o sabor de vitória. É isso o que nos garante o espelho mágico que está dentro de nós.
 Bom lembrar dos versos de Miltom Nascimento, na música Caçador de mim: Nada a temer senão o correr da luta!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)