Pular para o conteúdo principal

O Holocausto e nós, por Flávio Tavares*

A celebração, dias atrás, em Porto Alegre, em memória do extermínio de judeus pelos nazistas durante os anos do domínio de Hitler na Alemanha e na Europa, leva-me a interrogar sobre a hipocrisia da política e da diplomacia e, mais ainda, sobre o medo que guia o comportamento humano.

Sim, pois de 1933 (quando Hitler subiu ao poder) até 1945 (quando suicidou-se em Berlim), passaram-se 12 anos sem que se falasse abertamente do massacre de judeus e ciganos pelo fato de serem judeus e ciganos. Já em 1942, a aviação anglo-americana bombardeou a Alemanha e numa só noite, por exemplo, incendiou Hamburgo com bombas de fósforo, matando 40 mil civis. Nunca, porém, bombardearam as ferrovias que levavam aos campos de extermínio, localizados (na maioria) junto a cidades alemãs de porte médio. Todos tinham imensas chaminés para cremação de corpos, mas nenhum civil alemão pressentiu o cheiro da morte.

Os documentários que os canais de História exibem até hoje na TV mostram tropas russas, inglesas e norte-americanas (em 1945) levando os constrangidos habitantes locais a conhecerem o horror que ignoravam – milhares de cadáveres insepultos de prisioneiros mortos por inanição ou assassinados em massa e às pressas ao final da guerra.

Desconheciam por nada saber ou por fingir que nada sabiam?

O medo, só o medo erigido como única fonte e único fim do Estado pode explicar que o culto povo alemão tenha sustentado a ditadura de Hitler e tomado o crime aberrante como natural. Foi preciso uma guerra mundial (que envolveu diretamente o Brasil), com toda a loucura das guerras, para pôr fim à demência nazista da “supremacia da raça ariana”, ponto de partida para a matança de 6 milhões de judeus na Europa – todos civis, crianças e mulheres incluídas.

Como grupo, só os judeus recordam o que toda a humanidade deveria rememorar a cada ano, ou a cada dia, para evitar a repetição de horror similar. Estamos ainda sob o impacto do século 20, de suas misérias e proe-zas, utopias e frustrações. No fundo, somos ainda governados pelo século passado – século da penicilina, da bomba atômica e da aids; da lei da relatividade e da poluição ambiental –, mas muitas vezes nos inibimos com o que nos deixou.

No Brasil, silenciamos sobre os crimes cometidos durante a ditadura militar. O golpe de Estado de 1964 foi a mais atroz marca política do século, mas nas escolas militares é apontada como “gesto heroico”. A repetição dessa mentira tem como base a mesma fantasia que, hoje, leva corruptos e corruptores a ocuparem altos postos nos governos. A verdade não chega à proximidade do poder.

Na celebração do Holocausto judaico em Porto Alegre, o cônsul** alemão no Rio Grande do Sul  rendeu homenagem àqueles 6 milhões assassinados há mais de meio século pelo governo de seu país. “Uma atitude de reverência”, lembrou. De fato, reverência à verdade histórica. Ou alguém imaginaria um representante do governo da democrática Alemanha atual defendendo os crimes do governo de Hitler?

No poder ou fora dele, os alemães de hoje não se inibem em distanciar-se do terror do governo alemão de ontem. Entre nós, ao contrário, alguns setores minoritários teimam em aferrar-se ao passado atroz e odioso, sem repudiar os delitos da ditadura.

Para a ditadura nazista, os judeus eram abjetos inimigos a aniquilar só por serem judeus. Aqui, na ditadura surgida em 1964, quem lutasse pela liberdade da democracia era desprezível inimigo a aniquilar.

*Jornalista e escritor
** Cônsul geral no RS e SC, Norbert Kürstgens (nota BrasilAlemanha/Neues)

Fonte:
Zero Hora -  Porto Alegre, 30 01 2010
Site: www.zerohora.com.br 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

Lua cheia e a Lenda do Coelho

Ao sair para caminhar percebi a lua cheia no céu claro e iluminado por ela. Foi possível ver o perfil de um coelho que os orientais afirmam existir na lua cheia.

A Lenda do Coelho
Segundo a história budista, num certo dia um velho senhor pediu comida para um macaco, uma lontra, um chacal e um coelho.
O macaco colheu frutas e trouxe para o velho senhor, a lontra trouxe peixes e o chacal, um lagarto.
No entanto o coelho não trouxe nada, pois as ervas que constituem a sua alimentação não eram boas para os humanos. E então o coelho decidiu oferecer seu próprio corpo e se jogou no fogo.
Porém o corpo do coelho não se queimou, pois o senhor era uma divindade que observava tudo na terra.

E para as pessoas lembrarem do sacrifício do coelho, o homem desenhou a imagem do coelho na lua cheia. Diz a lenda que só os apaixonados pela vida conseguem ver o coelho, e que a lua cheia não é só dos poetas e daqueles que se entregam ao amor...

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)