Pular para o conteúdo principal

Cinema - Desafio de escrever roteiros

Escrever roteiros para cinema, visando à produção de um curta ou longa-metragem, exige do roteirista múltiplas habilidades de compor imagens, cuidar de cada detalhe, sugerir tomadas em segundo plano, áudio, fotografia, luzes, tudo no set de gravações é inserido para compor signos e símbolos que se integram para quem assiste.
Há uma corrente de pensamento entre cineastas de que o roteirista só escreve, e que cabe aos profissionais envolvidos em áreas específicas da produção fazer cada um, a sua parte.
No curta-metragem experimental "Viajante ou peregrino?" não aconteceu assim. Tudo foi responsabilidade do Diretor e decidido no set de filmagem, embora houvesse um roteiro indicativo para ser seguido. O objetivo era pedagógico, de marcar tempos, cenários, levantamento das dificuldades, ensaios e testes em campo para uma futura produção com equipamentos midiáticos profissionais.
E como lidar com a subjetividade? Se o bosque escuro proposto pelo diretor, cheio de perigos e ruídos, que disparam adrenalina no set de filmagens, se apresentar com outra forma para quem assistir depois o filme?
Cada ser humano tem na imaginação a sua floresta escura e assustadora particular, somatório de suas experiências, raízes culturais e diálogos internos com seus medos.
Penso que há uma linguagem universal no cinema, a exemplo da música, sorriso, matemática e a linguagem do amor.
Recentemente, quando dirigia o curta-metragem “Viajante ou peregrino, de Plaza Produções – Florianópolis - 2010, o desafio era transformar poemas em imagens, sem escrevê-los em legendas ou recitado por alguém do elenco de atores. Só com imagens e com sons da natureza!
Como fazê-lo, pensei?
Não gosto de “contar o filme” antes, como dizem, para quem ainda não o assistiu. Mas, como poeta, devo confessar que coloquei nas imagens do curta-metragem “Viajante ou Peregrino?”, que será exibido em breve na Universidade Estadual e Santa Catarina e em outros palcos, versos de Mário Quintana e de João Cabral de Melo Neto.
Haverá espaços múltiplos de discussão sobre o assunto.
BREVE: Viajante ou peregrino? (curta-metragem 13 minutos):
Com Fernando de Azevedo
Bernardo Pires
Márcia Cattoi
Bruno Mützenberg
Leonardo Rosa
Produção de Plaza Produções - Florianópolis
Roteiro e Direção de Julião Goulart

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)