Pular para o conteúdo principal

“Você pode sair em férias, o seu intestino não!”

É assim a chamada publicitária de um comercial que circula na TV.

Era uma vez um país e um povo dócil, a maioria católica. Constantemente era bombardeado com mensagem de manipulação consumidora.
Para executar o plano das estruturas dominantes imposto pela sociedade de consumo, havia uma grande rede de televisão que se utilizava das técnicas e do conhecimento da ciência para servir, e ser servida.
Nela, um programa besteirol de “reality show”, faz muito sucesso e escraviza mentes de milhares de pessoas.
Cuidado, seu intestino, seu coração e nem seu cérebro podem sair em férias.
Pensar é liberdade. Não permita que alguém "pense" por você. Se isso acontecer, você já está morto e só esqueceu de deitar.
Contudo, é preciso reconhecer a competência dos diretores das grandes redes de televisão em comprar/escolherem as pessoas com talentos, mesmos recrutados na concorrência.
Os paradigmas são mutáveis (a etimologia da palavra já diz isso), a sociedade de consumo pensa no intestino “preguiçoso” como se ele fosse o grande vilão.
A visão dióptrica imposta pela sociedade de consumo esconde a luz da saúde e da razão e, na vida moderna, atinge o órgão visceral.
Mas a própria sociedade e o poder da comunicação para as massas usam o conhecimentos na busca das soluções para os problemas e efeitos colaterais de suas transações comerciais.
Para intestino preguiçoso (leia-se prejudicado pelos “fast foods”, inatividade física diante da TV, enlatados, pressa e estresse) tome as pílulas mágicas e cague feliz, com um sorriso e ouvindo a música suave do comercial que diz "para a sua prisão de ventre, tome as pílulas número tal ..."

Comentários

  1. Parabéns pelo post Julião. É sempre assim, a evolução midiática especificamente neste caso da TV, sempre estão nos tentando convencer de algo. Uma verdadeira a apologia de que o mundo virtual, televisivo, radiofônico tentam nos empurrar goela abaixo o que é de interesse deles e não nosso. Até que ponto isso é saudável?

    Um abraço do amigo Locutor Alexandre Souza.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)