domingo, 24 de janeiro de 2010

Conversando com um sábio me questiono

A verdade é uma interpretação subjetiva. Cada ser humano tem a sua, e modulada pela cultura onde está inserido.
Lendo C. G. Jung percebo que a história humana está na simbologia e nas escavações arqueológicas e também nos entulhos da mente.
Será a fé manipulada?
O poder e o conhecimento sempre se serviram.
Em alguns momentos da história não se sabe quem serviu quem.
Napoleão, quando assumiu o poder da França, foi apoiado pelo conhecimento da Igreja Católica.
Quem usou quem?
Informações vindas dos confessionários eram valiosas... E vindas dos palácios também...
Na escrita, diríamos ( e vice versa...)
Informações privilegiadas passam poderes seculares.
O sentir “pecado” está na consciência humana ou fora dela?
Deus está em tudo, em todas as dimensões temporais ou não.
Nas tribos primitivas cabia ao curandeiro decidir, depois de ouvir no confessionário daquela época, os segredos sobre o comportamento humano tribal.
Mas, quem pode falar por Deus no século XXI?

Nenhum comentário:

Postar um comentário