Pular para o conteúdo principal

Indústria automobilística bate recorde de vendas em 2009

Foram 3 milhões de veículos produzidos e vendidos.
Pensando no planeta, resolvi fazer uns cálculos, executar aritmética, um velho hábito adquirido na juventude. Então pensei assim:
Se cada veículo é equipado com 5 pneus, (4 rodando e um de reserva), exceto alguns modelos da primeira linha da classe A que não utilizam pneu reserva, e alguns caminhões equipados com até 12 pneus rodando e mais 2 de reserva, só para fins de cálculos, teremos.
> 3000000 X 5 = 15000000 pneus produzidos/ano.
Agora vamos imaginar a frota de usados que roda no Brasil. Pensemos na frota que circula diariamente e que precisa trocar pneus a cada 50 mil km ( o recomendando pelo fabricante é aproximadamente a cada 35 mil).
São automóveis, veículos leves e pesados.
Segundo estudo feito por alunos da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, todos os anos, são jogados na natureza 14,9 milhões de pneus que não foram destinados à reciclagem ou recauchutagem, se considerada toda a produção da indústria de pneus no país.

Um jeito esperto de mandar o lixo para o quintal do outro.

Agora, pensando no planeta, alguns países mais desenvolvidos, e também mais poluidores, acharam um jeito esperto de se livrar do lixo “pneus”.
É um procedimento simples e eficaz do comércio exterior. Ainda dentro do período de vida útil, exportam pneus usados para países em desenvolvimento, a preços muito “convidativos”. A leitura é outra, não são bonzinhos, na verdade estão se livrando da responsabilidade de administrar um material poluidor que fica na natureza.
O pneu não é um produto biodegradável e seu tempo de decomposição na natureza é estimado em 600 anos, o que lhe confere caráter especialmente nocivo do ponto de vista ambiental.
Pense bem antes de comprar um pneu “semi-novo” importado.

Comentários

  1. Só complementando caro colega,
    em alguns lugares onde há preocupação com o despejo deste material,estão comprando ou pegando direto dos depósitos, para fazer solas de sandálias. Imagine quanto se economizaria se todos adotassem a idéia. Pena que a maioria das pessoas que habitam nosso mundo ainda é inconsciente.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)