Pular para o conteúdo principal

Deus, o filósofo e o teólogo

Pensando encontrá-Lo nas religiões pagãs, fui até Stonehenge para participar de um Ritual onde era reverenciada a natureza e o movimento dos astros como expressões Divinas.
Busquei-O em imagens de barro, em casas de Rito Africano - Umbanda, em Centro Espírita, Igreja Luterana, Católica e Sinagogas.
A pergunta continuava sem resposta.
Onde está Deus?
É bem verdade que posso ter passado por Ele nos caminhos do cotidiano e, insensível, na pressa da sociedade de consumo sempre ansiosa por resultados, deixei de descobrir o Sagrado contido nas coisas simples.
Perceber Deus, principalmente Seu rosto feminino, não é lá muito fácil numa sociedade machista.
Lembrei-me de uma pergunta que o professor de Teologia formulou durante uma aula.
- Vocês sabem a diferença entre um filósofo e um teólogo? – perguntou o mestre.
Sem esperar pela resposta dos estudantes, ele mesmo arrematou:
- Ambos procuram um gato preto numa sala escura.
A diferença, - disse ele, é que na sala onde está o filósofo, há realmente um gato preto que se movimenta, procurando se esconder para não ser encontrado.
Já na sala onde o Teólogo procura o gato, não existe gato nenhum. E, por mais que o teólogo procure, jamais irá encontrá-lo.
Usando um pouco de lógica formal, lá dos velhos tempos da Escola de Engenharia, não seria loucura afirmar que Deus é luz da Verdade, da Justiça e que ambas revelam o Amor no mundo.
E que o filósofo, embora negando a existência de Deus, é o mais habilitado para encontrá-Lo.
Nos livros escritos por Nietzsche, há mais argumentos de sustentação da verdade e da justiça que num sermão moralista de qualquer Doutor em Teologia.
Deus é Amor, com Justiça e Verdade.

Comentários

  1. Com certeza meu caro. Deus é amor. Mas é o amor que está dentro de nós e que conseguimos repartir com os outros. Você sabe da resposta quando vê se refletir o sorriso na pessoa, o abraço caloroso, o olhar de ternura, o canto dos pássaros, o ruído das águas, o movimento das árvores, no respirar fundo sentindo a brisa entrar em você, no contato de seus pés desalços na terra, no silêncio do seu quarto, no segredo da oração. É aí que temos contato direto com ele. Bj.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)