Pular para o conteúdo principal

PERSPECTIVAS DE GÊNERO.

Elas dizem: homem é tudo igual!
Recentemente um amigo me procurou para dizer que não estava conseguindo entender sua mulher.
O clima era de chuva, com raios e trovoadas, embora houvesse um sol esplêndido de primavera.
Ele carregava, aonde ia, uma pequena nuvem de chuva sobre a cabeça. Queria entender as mulheres...
Depois de ouvir atentamente, e sem interromper sua fala, na primeira “deixa”, depois do desabafo, disse ao aflito ouvinte:
É muita ousadia para um homem querer entender as mulheres.
Bem que eu poderei repetir textos, extraídos dos meus livros sobre alguns mistérios que nos cercam na tentativa de entender a natureza humana. Até tentar fundamentar e sustentar minhas afirmações, com o cuidado de não discriminar, explorando a abordagem com respeito e graça.
Prefiro repetir uma manchete de jornal, muito mais emblemática e simbólica:

"Mulheres que enviam cartas de amor ao Maníaco da Parque inspiram livro"

Maníaco do Parque, apelido dado a Francisco de Assis Pereira, acusado de 10 mortes e 11 ataques sexuais, era um dos que mais recebia cartas amorosas no presídio onde cumpre os 274 anos aos quais foi condenado. A partir desta inusitada situação, o jornalista Gilmar Rodrigues resolveu escrever o livro "Loucas de amor - Mulheres que amam serial-killer e criminosos sexuais", contando vários casos como o de Pereira, de mulheres iludidas e até transcrições de cartas.”
Francisco de Assis Pereira, no primeiro mês na prisão, recebeu mais de 1000 cartas de amor.

Fonte:
http://mediacenter.clicrbs.com.br/templates/player.aspx?f=1&contentID=86932&channel=232

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)