Pular para o conteúdo principal

Apagões humanos e de energia elétrica

Apagão

Pensando bem, apagões acontecem diariamente.
blecaute por todos os lados. Blecautes da memória, da razão, dos sentimentos nobres e fraternos, das relações amorosas, paternas e até patrióticas.
São nos apagões que se manifestam os instintos selvagens dos animais, sejam eles racionais ou não.
Basta apagar a luz, sem que saibamos a razão, que pensamentos gatilhados pelo instinto de sobrevivência se manifestam através dos medos.
Ficamos em alerta, em guarda alta, buscando entender as causas. Outros ficam agressivos e deixam seus instintos primitivos comandar a razão.
Se a ocasião revela o ladrão, a escuridão revela o mau caráter, a violência e a falta de humanidade de algumas pessoas.Foi assim em 1977, quando às 20h37, após a queda de um raio em uma subestação no Rio Hudson, começou um apagão que se alastrou para diversos bairros.
O “blackout” de NY é lembrado até hoje como a "Noite do Terror". Bandidos, assaltantes e assassinos aproveitaram a escuridão para espalhar a violência por onde andavam.

No mais recente blecaute de energia elétrica, segundo a ONS, do dia 10 de novembro, atingindo 18 estados brasileiros, não foi diferente. Há notícias e registros de assaltos e roubos na escuridão.
Sem querer entrar na discussão de qual foi o maior apagão, do Fernando Henrique ou do Lula, a ciência não consegue garantir que não mais ocorrerão.
Mesmos os países com alta tecnologia não estão livres. Alguns blecautes significativos na história:
1) 1965 - EUA (nordeste)
2) 1977 - EUA -Nova York
3) 1999 - Brasil
4) 2003 - Itália e parte da Suíça
5) 2003 - Canadá e EUA
6) 2005 - Indonésia
7) 2009 – Brasil
Raios, sobrecargas e curtos circuitos continuarão fazendo parte da história, não só dos relacionamentos humanos bem como no fornecimento de energia elétrica para as cidades.

Comentários

  1. Os apagões humanos da energia nos lembram como as pessoas se tornam, algumas vezes, totalmente insensíveis à vida a ao mundo em que habitam. Esse desvio muitas pode ser reflexo do consumismo e insensiblidade das pessoas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)