Pular para o conteúdo principal

2009 - Ano Internacional da Astronomia - Teatro

AS LUAS DE GALILEU GALILEI
Na igrejinha da UFSC: 16,17 E 18, 23 24 E 25 DE Outubro, 20:00
uma encenação de Carmen Fossari
com NEI PERIN como GALILEU GALILEI
ELENCO:
Mariana Lapolli, Ivana Fossari,Bruno Lapolli,Marcelo Cidral, ,Marcelo Cipriani, Rhamsés Camisão, Ana Paula Lemos, , Lucia Amante, Emanuela Espíndola, Bruno Leite , Gabriel Orcajo, Juliana Rabello,Gabriel Ortega, AugustoSopran, Eliana Bär, Rúbia Medeiros, Luiza Souto, Jeanne Siqueira, Patrícia Medeiros e Julião Goulart.
PARTICIPAÇÃO DO MADRIGAL DA UFSC
DIREÇÃO MUSICAL E REGÊNCIA DO MADRIGAL : MIRIAM MORITZ
ASSESSORIA : ASTRONOMO ADOLFO STOTZ-
FIGURINO: JOSÉ ALFREDO BEIRÃO
CENÁRIO: MÁRCIO TESSMANN
ILUMINAÇÃO:IVO GODOI E CALU
TÉCNICO LUZ: NILSON SO
CARTAZ: MICHELE MILLIS
PROGRAMA: BRUNO LEITE
PRODUÇÃO: GRUPO PESQUISA TEATRO NOVO -UFSC
PROMOÇÃO: DAC-SECARTE-UFSC
ENTRADA FRANCA –CONVITES NO DAC - 37219348
A Cia teatral BAMBOLINA ANDATINA através do METATEATRO encena episódios da Vida do Professor Galieleu Galilei, em paralelo o Personagem Galileu Galiei vivencia fatos relevantes de sua vida, como cientista, o homem que passou para a história como o cientista que abjurou diante Inquisição , cuja genialidade é marco como o Criador da Ciência MODERNA.
Uma encenação reunindo duas linguagens que conflui tal como as relações da ciência e da fé.
No espetáculo instaura-se o popular ( Comédia Dell Arte) e o sacro (Madrigal).
A encenação inicia na rua, ao lado da Antiga Igreja da Trindade e passa para dentro da Igreja.
A cenografia pontua várias cenas ao meio do público. O texto, dentro dos preceitos PÓS DRAMÁTICOS, resulta em um somatório de escritos ao entorno de temas relevantes, a saber: Escritos de Galileu Galilei na Obra :MENSAGEIRO DAS ESTRELAS, carta Virginia, a filha Freira e auxiliar de Galileu Galilei,um trecho de A PESTE, de Albert Camus, cenas em livre adaptação da obra mais Aristotélica, de Bertolt Brecht ( que escreveu três versões de sua obra GALILEU GALILEI).
Preciosas observações do Astrônomo Adolfo Stotz Neto motivaram o tratamento deste “nosso” Galileu, um ser humano que ousou olhar o nunca olhado... Imperdível!

Comentários

  1. Oi Julião que belo e mágico teu espaço cultural!
    Ótima a divulgação da peça "As luas de Galileu Galilei" na qual temos tua preciosa participação!
    Um abraço desde os palcos de Galileu!!
    Ivana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)