Pular para o conteúdo principal

Declaração de amor - Teatro

Blog (diário) serve para catarse também, pedido de perdão, fazer piadas de ocasião, rir da gente mesmo.
Cometi muitos erros de ortografia nas sessões de autógrafo que fiz, no momento do lançamento dos meus livros.
Já cortei “L”, pensando que era “T”, ainda bem que era uma amiga, que me conhecia.
Substituí o livro e, acreditem, cortei novamente o “L".
O nome dela ficou um desastre, com o “L” cortado como “T”.
Os orientais dizem que o nome é o “MANTRA” mais importante para quem o escuta.
Quando vejo uma fila grande me dá uma inquietação danada. Preocupo-me com quem está no final, esperando, mesmo que esteja com cara alegre.
A sabedoria popular diz que a pressa é inimiga da perfeição! Vero!
Um dos meus erros mais recentes aconteceu no intervalo do ensaio, num palco de teatro.
No exato momento que fui autografar um dos meus livros, presente para a minha diretora de teatro da peça “As Luas de Galileu”, de Carmen Fossari, escrevi uma coisa, mas pensei outra. O texto correto seria inspirado naquela mulher e, para aquele momento que, infelizmente deixei passar.
Sempre há tempo para reparos, e uso a internet para fazê-lo agora, tendo o universo cibernético como testemunha.
Vou revelar, sem reservas, exatamente aquilo que eu deveria ter escrito, mas que os formatos da sociedade das aparências, interpretações equivocadas, cuidados com a etiqueta (pequena ética) e outros impedimentos fizeram, na última hora, que eu escrevesse outro texto.
O texto deveria ser uma declaração de amor! Que faço agora.
“Para Carmen Fossari, Diretora e professora de Teatro da UFSC.”
Amo você, seu talento, sua disposição, sua humildade, sua força de promover a Arte e a Cultura.
Não sei se você é ciumenta, mas devo confessar que não amo só você.
Que tive outros amores, que tenho vários amores e que espero ter a sensibilidade de me apaixonar, cada vez mais, por professoras e professores, que são os grandes agentes de transformação da sociedade.
Que amo o saber, viver o momento mágico de descobrir novas formas de fazer, sair das rotinas que escravizam a mente humana.
Que amo desafios e que sei o valor de aprender com os erros".
(Texto maior não caberia na primeira página do livro.)



Comentários

  1. Caro Julião
    Grande escritor, excelente ator, uma pessoa que vou descobrindo em cada ensaio,que vai revelando o sentido exato do porque deve existir a arte, para nos humanizarmos, para tirarmos a couraças, para redescobrirmos que a vida é um movimento dentro do grande movimento do universo.E que devemos sim dizermos em coragem que amamos as pessoas além daquelas que usualmente " são pertenças da nossa identidade particular com quem compartimos as cotidianidades.Devemos dizer não da raiva, dos medos,das angustias , mas da energia revolucionária que usualmente o ser humano a boicota.Obrigada Julião pela oportunidade de compartirmos teu talento e sensibilidade, com
    o afeto e o amor na arte
    Carmen

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

Lua cheia e a Lenda do Coelho

Ao sair para caminhar percebi a lua cheia no céu claro e iluminado por ela. Foi possível ver o perfil de um coelho que os orientais afirmam existir na lua cheia.

A Lenda do Coelho
Segundo a história budista, num certo dia um velho senhor pediu comida para um macaco, uma lontra, um chacal e um coelho.
O macaco colheu frutas e trouxe para o velho senhor, a lontra trouxe peixes e o chacal, um lagarto.
No entanto o coelho não trouxe nada, pois as ervas que constituem a sua alimentação não eram boas para os humanos. E então o coelho decidiu oferecer seu próprio corpo e se jogou no fogo.
Porém o corpo do coelho não se queimou, pois o senhor era uma divindade que observava tudo na terra.

E para as pessoas lembrarem do sacrifício do coelho, o homem desenhou a imagem do coelho na lua cheia. Diz a lenda que só os apaixonados pela vida conseguem ver o coelho, e que a lua cheia não é só dos poetas e daqueles que se entregam ao amor...

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)