Pular para o conteúdo principal

As surpresas da verdade de amar ao "próximo".

Gosto de escrever textos para provocar reflexões sobre as lições da sabedoria da natureza, especialmente a dos animais.
Um bom exemplo é o das aves migratórias que sabem a hora de ir embora, de sair de cena observando apenas os sinais do contexto onde estão.
Em alguns casos, podemos aprender com as aves.
Temos uma natureza interior, uma ecologia, com animais selvagens e primordiais.
Cada ser humano é uma versão do Noé Bíblico, que precisa construir uma Arca para salvar os seus animais interiores do dilúvio do inconsciente.
Nessa linguagem simbólica há o desafio de ter consciência da força da natureza instintiva que pulsa em nós, e que precisa ser descoberta pelo ser humano, entendida e aceita pela razão.
Salvar os nossos animais interiores do dilúvio do inconsciente passa pelo autoconhecimento. Entender o eu, o outro, o grupo e leitura da própria realidade.
Contudo, não temos unicamente uma zoologia interior.
Há também multidões de personagens e padrões de comportamentos e atitudes os arquétipos –­ teorias descritas pelo psicanalista C.G. Jung, com os seus múltiplos diálogos.
Todos nós, de certa forma, temos os nossos diálogos internos. Nunca estamos sós!
Podemos até afirmar que conversamos silenciosamente, perguntamos, sem ter todas as respostas. Dizem que Deus nos sonda, escuta e nos conhece na intimidade.
O grande poeta americano Walt Witmann, descreveu em versos, os conflitos e dilemas da alma humana:

“... sou imenso, sou contraditório, há multidões dentro de mim...”

Cabe uma pergunta:
Quem verdadeiramente se conhece? Sabe ler a realidade em que vive?
Sobre este tema, o filósofo grego Heráclito, sempre alertava aos seus discípulos com a seguinte afirmação:
- “Quem quiser investigar a verdade, deve estar preparado para surpresas...”
Na bíblia existem várias passagens para a reflexão sobre o assunto, como por exemplo, as dúvidas de Saulo quando, a caminho de Damasco, cai por terra tremendo e atônito, volta a sua face para o céu e pergunta:

- “Senhor, que queres que faça?” Esta mesma pergunta, foi formulada por Francisco de Assis, quando, numa espécie de “loucura”, ouvia vozes, mas não sabia responder.
Foi preciso o recolhimento desnudo para que ele, finalmente ouvisse a única e verdadeira voz interior:

- Francisco, restaure a minha Igreja!

Quem sabe agora, arrisquemos entender numa nova dimensão, as palavras de Jesus:
- Amai vossos inimigos. (Lc 6,35)
- Amai-vos uns aos outros... (Rm 12,10)
E finalmente, a frase mais esclarecedora:
- Amai o próximo como a si mesmo!
E, se de repente você descobrisse que o seu “próximo” está no seu interior, e que o seu maior “inimigo” é “você” mesmo? Sob a forma de pensamentos não saudáveis, isolamento, omissões e atitudes?
E, se percebesse mais profundamente que não se conhece na essência, que não cultiva amor próprio?
Que desconhece o “outro” contido em você (próximo), o grupo que está inserido a sociedade e no universo?
Que se encontra com baixa autoestima e não se valoriza?
Nessa fase, tenha cuidado com os espelhos!

Este “insight” sobre a verdade, como bem lembrou Heráclito, não seria uma grande surpresa pra você?
Perdoar é conhecer o amor, entender-se como ser de relação com animais racionais ou não. Eles existem e, por vezes, estão mais próximas que pensamos.
Agora, quem sabe? não seremos capazes de melhor compreender a sabedoria fantástica de Jesus Cristo?
Pois, amando os nossos “inimigos”, estaremos certamente amando a nós mesmos, um passo decisivo para compartilhar o amor, na grande fraternidade universal tantas vezes referida nas escrituras como o Reino de Deus que está no presente, no aqui e no agora do maravilhoso instante consciente.

Comentários

  1. Parabéns por sua reflexão. Muito oportuna principalmente nos dias de hoje em que as pessoas muitas vezes não se conhecem mais devido à constante correria do dia-a-dia. Nesse vaivém pouco meditam e se questionam sobre os fatos da vida e realidade das coisas e os porquês dos fatos que acontecem muitas vezes imcompreendidos e que tem razão de ser, para nosso aprendizado e crescimento espiritual.
    Milka Plaza

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

Lua cheia e a Lenda do Coelho

Ao sair para caminhar percebi a lua cheia no céu claro e iluminado por ela. Foi possível ver o perfil de um coelho que os orientais afirmam existir na lua cheia.

A Lenda do Coelho
Segundo a história budista, num certo dia um velho senhor pediu comida para um macaco, uma lontra, um chacal e um coelho.
O macaco colheu frutas e trouxe para o velho senhor, a lontra trouxe peixes e o chacal, um lagarto.
No entanto o coelho não trouxe nada, pois as ervas que constituem a sua alimentação não eram boas para os humanos. E então o coelho decidiu oferecer seu próprio corpo e se jogou no fogo.
Porém o corpo do coelho não se queimou, pois o senhor era uma divindade que observava tudo na terra.

E para as pessoas lembrarem do sacrifício do coelho, o homem desenhou a imagem do coelho na lua cheia. Diz a lenda que só os apaixonados pela vida conseguem ver o coelho, e que a lua cheia não é só dos poetas e daqueles que se entregam ao amor...

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)