Pular para o conteúdo principal

Academia Desterrense de Letras perde seu Presidente Vilson Mendes














Perdemos todos nós que amamos a Arte & Cultura.
Nosso último encontro foi na Academia Catarinense de Letras, 23 de julho 2009.
Outro dia, Vilson Mendes, num encontro na mesma Academia, ao ouvir a música que fiz para homenagear Santa Catarina, que tive a honra de cantar, foi um dos primeiros a me cumprimentar. Adorou! Os versos e a música.
Pediu-me para fazer a letra de um hino: Hino das Academias de Letras de Santa Catarina. Perguntei: - Meu caro Vilson, em sua opinião, quais palavras “chaves” que o hino deve ter? Ao que respondeu: “Defender a língua e a literatura, a liberdade, o livre pensar, os patronos e acadêmicos, sem esquecer o verbo amar”.
Obrigado pelo seu saber, defesa da Língua e da Literatura. Você será sempre um Imortal das Academias de Letras de Santa Catarina.

Comentários

  1. Agradecemos por todo o carinho dos amigos do Vilson, meu pai.

    ResponderExcluir
  2. Há tempos lhes falo do maravilhoso projeto que é desenvolvido pela Barca de Livros, na Lagoa da Conceição. Volto a falar sobre ele agora. Um dos idealizadores da Barca é hoje nosso professor no curso: o Sérgio Bello - o maior contador de história que conheço em Santa Catarina.
    Ele faz o convite que segue...
    "Estarei numa turnê de apresentações com o violeiro e contador de histórias Paulo Freire. Em Florianópolis, nossa apresentação dos "Causos Violados" (título do espetáculo) será neste sábado, dia 12/9, a partir das 18h, na Barca dos Livros, na Lagoa da Conceição www.amantesdaleitura.org. A entrada é franca, e todos podem levar amigos ou famíliares."

    Amigos e amigas do curso, taí um programão para este sábado.
    Vocês vão amar.

    Jornalista Paulo Scarduelli - SC 00223 JP
    Coordenador do curso de Jornalismo da Estácio de Sá (SC)
    Fones (48) 3381.8024 e 9112.7757
    VOIP *3408024
    Blog do curso: http://jornalismodaestacio.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Grande conhecedor de literaturas e sábio pensador, foi grande amigo de meu pai,o artista plástico Sr Onildo Ladewig com quem tinha frequentes ¨pate-papos¨, tive o prazer de fazer parte também de seu círculo de amizades, perdemos um amigo... mas ganhamos um anjo...
    carlos ladewig
    são josé-sc

    ResponderExcluir
  4. O importante de Vilson Mendes são as 'memórias'
    "Papa Livros" Feira Catarinense do Livro" "Academias.....
    Antonieta Mercês

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

Lua cheia e a Lenda do Coelho

Ao sair para caminhar percebi a lua cheia no céu claro e iluminado por ela. Foi possível ver o perfil de um coelho que os orientais afirmam existir na lua cheia.

A Lenda do Coelho
Segundo a história budista, num certo dia um velho senhor pediu comida para um macaco, uma lontra, um chacal e um coelho.
O macaco colheu frutas e trouxe para o velho senhor, a lontra trouxe peixes e o chacal, um lagarto.
No entanto o coelho não trouxe nada, pois as ervas que constituem a sua alimentação não eram boas para os humanos. E então o coelho decidiu oferecer seu próprio corpo e se jogou no fogo.
Porém o corpo do coelho não se queimou, pois o senhor era uma divindade que observava tudo na terra.

E para as pessoas lembrarem do sacrifício do coelho, o homem desenhou a imagem do coelho na lua cheia. Diz a lenda que só os apaixonados pela vida conseguem ver o coelho, e que a lua cheia não é só dos poetas e daqueles que se entregam ao amor...

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)