Pular para o conteúdo principal

Michael Joseph Jackson

O enterro de Michael Jackson, falecido em 25 de junho de 2009, poderia ter acontecido no cemitério Forest Lawn, onde ocorreu o velório, com caixão lacrado e diante da presença da família, cerimônia assistida por milhões de fãs em muitos lugares do mundo. Mas o sepultamento não aconteceu.
Logo após as formalidades, o enterro foi marcado para 29 de agosto e depois adiado para 3 de setembro, segundo representante oficial da família.
Antigamente não existia burocracia que atrasasse um enterro. Dependendo da causa da morte, o sepultamento era até antecipado. Não havia tempo para esperar, em condições normais de temperatura e pressão.
Lembrei-me de um Simpósio de Teologia que participei na PUC-RS, cujo tema era tanatologia, termo de origem grega para designar a morte.
Um dos palestrantes, médico e professor daquela universidade, contou uma experiência interessante.
Um de seus pacientes, em fase terminal, pediu para ir para casa. Disse “Quero morrer em casa”
Depois de alguns dias, o médico foi chamado na residência do paciente.
Quando o doutor chegou ao apartamento da família e atestou a morte de seu paciente, fez as formalidades legais, emitindo um atestado de óbito, orientando a família entrar em contato com uma funerária.
A história não termina aí.
Quando a funerária chegou, o médico, que estava prestando solidariedade à família, quis acompanhar a retirada do corpo.
Para a sua surpresa, dois enfermeiros chegaram numa ambulância, pegaram uma cadeira de rodas e colocaram o corpo “sentado” na cadeira.
O médico não entendendo, disse: “Ele está morto!” podem colocar numa maca e com um lençol por cima.
Ouviu como resposta de um dos enfermeiros: “Sabemos Senhor, mas se algum morador do prédio presenciar a cena da retirada de um morto, aqui do prédio, o imóvel fica com energia negativa e perde seu valor de mercado".
Nunca a morte foi tão escondida, maquiada e desfamiliarizada como no contexto atual.
Os cadáveres são maquiados, preparados com recursos cosméticos que transformam a face da morte em rostos saudáveis e corados.
Os cerimoniais de despedida deixaram de ser realizados em casa e passaram para as Capelas Mortuárias que podem, dependendo dos recursos da família, ter transmissão pela internet.

Ninguém sabe o dia, e nem a hora, mas é certo que chegarão.
A morte é a única verdade e certeza para os seres vivos.
E Michael, o quê diria se pudesse decidir?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)