Pular para o conteúdo principal

3a. Bienal do Livro de Santa Catarina

Estive na 3a. Bienal do Livro de Santa Catarina, que ocorreu na cidade de Lages, entre os dias 29 de junho e 5 de julho de 2009.
Além de fazer uma palestra motivacional e de autoconhecimento, fui convidado a recitar poemas, uma oportunidade para encontrar pessoas, fazer amigos e aproveitar o ar puro da serra catarinense.
Foi um encontro entre o público com Escritores, Livreiros, Escolas, Professores e Alunos. Parabéns aos organizadores.

André, um novo talento que se mostra naturalmente.

Conheci André, um jovem artista na arte do
desenho, premiado num Concurso de Talentos.


Desenho 3a Bienal do Livro de Santa Catarina






E Almir, jovem escritor.








Cada pessoa é um poema de Deus!

No espaço da ALE – Associação Lageana de Escritores, recitei versos de Mário Quintana, Fernando Pessoa, João Cabral de Melo Netto e Guilherme de Almeida.


Sempre com o olhar atento e amigo do jornalista Nevio Santana Fernandes, Presidente da ALE.

Nos corredores literários, entres livros e papos, encontrei Fernando Coruja, que em breve lançará seu livro, ainda sem título, sobre estratégias para aplicar no jogo de dominó.
Aguardo, com muita expectativa, pois sou um dos tantos apreciadores desse jogo milenar.



E, quando participo de encontros sobre livros, feiras, de editores e escritores, sempre está presente José Vilmar da Silva, livreiro e atual Presidente da Câmara Catarinense do Livro.

Encontrei, com muita alegria, o palhaço Queixinho e sua acompanhante. A pequena Suellen Granemann Ortiz, é filha do artista e animador de festas. O riso desperta a nossa criança interior e nos eleva para o mundo da imaginação e do sonhar nas caminhadas e jornadas da vida.(foto autorizada pelo pai para ser publicada no Blog)




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)