Pular para o conteúdo principal

Confissões de um Contador de história

Cresci ouvindo causos e histórias do folclore brasileiro e especialmente da tradição oral do gaúcho.
Morava no interior e após o jantar nos reuníamos na sala de casa para ouvir a história especial daquele dia, contada por algum integrante da família.
Passou a ser uma rotina que me lembra muito o conto da árvore dos sapatos, uma das histórias que contei na Rádio Cultura e que está na página 22 do meu livro "Contador de história".
Meu pai gostava de contar histórias em que ele era sempre o herói. Ele gostava de ensinar que, diante da mentira e da injustiça, uma pessoa de bem não deve se calar. Ele era para mim, uma espécie de Dom Quixote.
Confesso que em muitas histórias contadas por meu pai, eu e meus irmãos sabíamos que era pura fantasia do velho, mas que foram importantes para trabalhar os medos, emoções positivas e descobrirmos os nossos limites, numa verdadeira aula de autoconhecimento.
Hoje percebo o valor de exercitar a imaginação, de construir imagens na abstração de idéias, memorizar e evocar fatos.
Foi por gostar de contos que fiz o Curso de Contador de Histórias no NETI/UFSC.
Durante um ano aprendi e exercitei técnicas do contador e de como é importante a decodificação da linguagem na contação de histórias, considerar o contexto dos ouvintes, idades, expectativas, os sinais de expressão corporal, sempre respeitando a capacidade de cada pessoa entender.
Contei histórias em Escolas, Bibliotecas, Museus, Livrarias, em roda de amigos e até em bares, mas meu grande desafio foi ser Contador de Histórias numa emissora de rádio, apresentando o programa A Hora da História, pela Rádio Cultura de Florianópolis.
Diante do microfone, e sem poder “ler” as expressões faciais dos ouvintes, torna-se necessário colocar nas inflexões da voz, as diversas mensagens não-verbais contidas numa contação de histórias.
No meu livro reproduzo algumas histórias que eu contei no programa “A Hora da História”, que apresento na Rádio Cultura de Florianópolis. Reúno uma seleção de histórias, atendendo aos pedidos dos ouvintes.

Julião Goulart

Comentários

  1. Parabéns por suas histórias. Venho acompanhando seu programa da rádio há muito tempo.
    Abraço,
    Elisabeth Vergara.

    ResponderExcluir
  2. JULIÃO

    BELO BLOG, INTERRESSANTE TEMAS E TEXTOS CRIATIVOS E DENSOS. GOSTEI MUITO. PARABÉNS
    Abraço
    Carmen

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)