Pular para o conteúdo principal

A tartaruga que queria conhecer seus pais.*








As tartarugas nascem dos ovos postos pelas fêmeas em buracos cavados na areia da praia. E, a exemplo dos insetos, elas não conhecem seus pais.

Logo que os ovos eclodem, e as tartaruguinhas nascem, começa a grande corrida em direção ao mar. É uma corrida pela própria vida, pois existem muitos perigos que elas precisam enfrentar até chegarem na água do mar, onde poderão se desenvolver.

As tartarugas não têm tempo de conhecer seus pais. E os pais, também não conhecem seus filhos.

Mas..., Num certo dia muito especial, uma tartaruguinha resolveu procurar seus pais.

A tartaruguinha, chamada Filó, saiu pelo mundo em busca de seus pais.
O grande sonho de Filó era conhecer seus pais. Entrou no bosque e encontrou um coelho.
- Olá seu coelho, meu nome é Filó e estou à procura de meus pais.
- Procure seus pais no mar e não aqui no bosque. - Disse o coelho amigo.
- Obrigado senhor. – Falou a pequena tartaruga e já se dirigindo ao mar.
Após uma longa jornada, Filó avistou uma tartaruga e foi logo perguntando:
- Você me conhece?
- É claro, você é uma tartaruga.
- Meu nome é Filó e estou à procura de meus pais. Como posso encontra-los?
- Mas você não sabe que as tartarugas não conhecem seus pais?
- Mas eu quero conhecer os meus pais.
- Impossível! Botamos tantos ovos que não daria para cuidar individualmente dos filhotes como fazem os humanos. Por que você quer conhecer seus pais?
- Para conversar com eles, perguntar sobre meus avos e tudo o mais...Por acaso não me é permitido fazer isto?
- Ouvi falar que existe uma tartaruga muito velha e sábia que mora no mar Adriático e que pode saber as respostas para as suas perguntas.
Depois de andar nos sete mares, Filó finalmente chegou ao seu destino. Quando estava diante da mais sábia das tartarugas.
– Quero conhecer meus pais...:

- Filó, Você já viveu 150 anos sem conhecer os seus pais. Contente-se em estar viva e poder viver as maravilhas da natureza. Curta a sua liberdade e seus instintos e leve de consolo que o nosso pai é Deus e a mãe, é a natureza.

Você pode pensar que já tem uma família, com tantos irmãos, que já nem os pode contar e mais, que todos os seres vivos que habitam a terra ou as águas do mar são seus irmãos.Cuide bem da natureza e viva feliz.
- Entendi! Somos família quando praticamos o amor fraternal e compreendemos os sentimentos dos outros. – Respondeu Filó.

E logo cada tartaruga seguiu seu caminho...

Muitos meninos e meninas órfãos são como as tartarugas. Não tiveram a oportunidade de conhecer seus pais. Mas a natureza compensa estas carências e ensina os órfãos a conviver fraternalmente. Sempre aparece alguém que assume o papel de amar e o mar é imenso para todos.
Pior é ser órfão de pais vivos e ainda morando na mesma casa.

Durante a contação da história, já no final, uma voz adulta e feminina, vinda lá do fundo da sala gritou:
- Dependendo do pai... É melhor que a filha nem o conheça...
Houve um longo silêncio de reflexão...

* História que escrevi especialmente quando fui contar histórias para uma comunidade carente e com crianças órfãos, na periferia de Florianópolis.
Diz, na Bíblia, que a beleza de um homem é a sua bondade. Existem muitas formas de ser belo mas, a primeira, de todas, é respeitar a dignidade e pureza das crianças.
Denuncie maus tratos, abusos psicológicos ou físicos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A árvore dos sapatos *

 A árvore dos sapatos
(Do livro Contador de História, Julião Goulart, Editora UFSC 2009, p.22)  História de Mia Couto que transformei em roteiro para  teatro  " O contador de histórias e a árvore dos sapatos" ,  peça que foi encenada em três temporadas, 2009,2010 e 2011, nos teatros da UBRO, UFSC, UDESC e TAC, recontada abaixo:
"Muito longe daqui, no Sul da África, não muito tempo atrás, vivia uma tribo que não usava sapatos. Pra quê sapatos? Se a areia era macia, a grama também. Mas às vezes as pessoas tinham que ir à cidade. Para resolver um assunto, um negócio de cartório, hospital, ou receber dinheiro ou até mesmo ir a uma festa. Aí eles precisavam de sapatos, e era um tal de pedir emprestado, que nunca dava certo. Foi aí que o velho mais velho da vila que, como tantas vezes acontece, era também o mais sábioresolveu o problema. Ele abriu uma tenda de aluguel de sapatos bem na entrada da vila. Instalou-se à sombra de uma grande árvore, e em seus galhos pendurou todo tipo d…

Lua cheia e a Lenda do Coelho

Ao sair para caminhar percebi a lua cheia no céu claro e iluminado por ela. Foi possível ver o perfil de um coelho que os orientais afirmam existir na lua cheia.

A Lenda do Coelho
Segundo a história budista, num certo dia um velho senhor pediu comida para um macaco, uma lontra, um chacal e um coelho.
O macaco colheu frutas e trouxe para o velho senhor, a lontra trouxe peixes e o chacal, um lagarto.
No entanto o coelho não trouxe nada, pois as ervas que constituem a sua alimentação não eram boas para os humanos. E então o coelho decidiu oferecer seu próprio corpo e se jogou no fogo.
Porém o corpo do coelho não se queimou, pois o senhor era uma divindade que observava tudo na terra.

E para as pessoas lembrarem do sacrifício do coelho, o homem desenhou a imagem do coelho na lua cheia. Diz a lenda que só os apaixonados pela vida conseguem ver o coelho, e que a lua cheia não é só dos poetas e daqueles que se entregam ao amor...

O homem que procurava a mulher perfeita para casar.

Era uma vez... O homem que procurava a mulher perfeita para casar.
Um homem solteiro, já de idade avançada, contava a um amigo a sua busca de uma mulher perfeita para casar. O amigo perguntou: - Então, você nunca pensou em casamento? - Já pensei. Em minha juventude, resolvi procurar e conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, nas minhas buscas, até que cheguei em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e lindíssima, mas ela não tinha os “pés no chão” pois nada sabia das coisas do mundo. Continuei a viagem, e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era uma moça bonita. Então resolvi ir até o Cairo, lá no Egito, onde jantei na casa de uma moça muito bonita, religiosa e conhecedora da realidade material. Era a mulher perfeita! - E por que você não casou com ela? – perguntou seu amigo. Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito. (Extraído do meu livro Contador de História, p. 30 UFSC - 2008)